Presidência da República
Secretaria da Micro e Pequena Empresa
Secretaria de Racionalização e Simplificação
Departamento de Registro Empresarial e Integração

MANUAL DE REGISTRO
EMPRESÁRIO INDIVIDUAL

Atualizado de acordo com a Lei Complementar nº 147, de 7 de agosto de 2014,
e Instrução Normativa DREI nº 26, de 10 de setembro de 2014.
BRASÍLIA – DF / 2014
2
MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DA MICRO E PEQUENA EMPRESA DA
PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
Guilherme Afif Domingos
SECRETÁRIO EXECUTIVO
Nelson de Almeida Prado Hervey Costa
SECRETÁRIO DE RACIONALIZAÇÃO E SIMPLIFICAÇÃO
José Constantino de Bastos Júnior
DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE REGISTRO EMPRESARIAL E INTEGRAÇÃO
Paulo César Zumpano
3
APRESENTAÇÃO
Este Manual estabelece normas que devem ser observadas pelas Juntas Comerciais e
respectivos usuários dos serviços prestados pelas mesmas na prática de atos no Registro de Empresas
referentes a Empresários Individuais.
Além de orientar as Juntas Comerciais visando à prática uniforme dos serviços de registro
mercantil, no âmbito do Sistema Nacional de Registro de Empresas Mercantis, a observância do disposto
neste Manual facilitará a compreensão dos requisitos exigidos para o arquivamento de atos, reduzindo
assim o prazo de processamento dos serviços solicitados, e evitando exigências, diminuindo custos
decorrentes de retrabalho, tanto para o cidadão quanto para as Juntas Comerciais.
PAULO CÉSAR ZUMPANO
Diretor do Departamento de Registro Empresarial e Integração
4
ÍNDICE
1 – INSCRIÇÃO………………………………………………………………………………………………………………………..9
1.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA………………………………………………………………………………………………..9
1.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO…………………………………………………9
1.2.1 – CAMPOS A PREENCHER………………………………………………………………………………………..9
1.2.2 – QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO …………………………………………………… 10
1.2.2.1 – Nome do empresário………………………………………………………………………………. 10
1.2.2.2 – Nacionalidade………………………………………………………………………………………… 10
1.2.2.3 – Estado civil ……………………………………………………………………………………………. 10
1.2.2.4 – Sexo …………………………………………………………………………………………………….. 10
1.2.2.5 – Regime de bens do empresário ……………………………………………………………….. 10
1.2.2.6 – Filiação …………………………………………………………………………………………………. 10
1.2.2.7 – Nascido em……………………………………………………………………………………………. 10
1.2.2.8 – Identidade……………………………………………………………………………………………… 10
1.2.2.9 – CPF ……………………………………………………………………………………………………… 10
1.2.2.10 – Emancipado por …………………………………………………………………………………….. 10
1.2.2.11 – Endereço ………………………………………………………………………………………………. 10
1.2.3 – DECLARAÇÃO (de desimpedimento para exercer atividade empresária e de que não
possui outra inscrição de empresário) E REQUERIMENTO ………………………………….. 10
1.2.4 – ATO/EVENTO ……………………………………………………………………………………………………… 11
1.2.4.1 – Código do Ato………………………………………………………………………………………… 11
1.2.4.2 – Descrição do Ato ……………………………………………………………………………………. 11
1.2.4.3 – Código do Evento…………………………………………………………………………………… 11
1.2.4.4 – Descrição do Evento ………………………………………………………………………………. 11
1.2.5 – NOME EMPRESARIAL (FIRMA)……………………………………………………………………………. 11
1.2.5.1 – Microempresa (ME) / Empresa de Pequeno Porte (EPP)…………………………….. 11
1.2.6 – ENDEREÇO DA EMPRESA ………………………………………………………………………………….. 11
1.2.7 – CORREIO ELETRÔNICO (E-mail)…………………………………………………………………………. 11
1.2.8 – CAPITAL …………………………………………………………………………………………………………….. 11
1.2.8.1 – Valor do Capital – R$ ………………………………………………………………………………. 11
1.2.8.2 – Valor do Capital (por extenso)………………………………………………………………….. 12
1.2.9 – CÓDIGO DE ATIVIDADE ECONÔMICA (CNAE)……………………………………………………… 12
1.2.10 – DESCRIÇÃO DO OBJETO……………………………………………………………………………………. 12
1.2.10.1 – Jornalismo e Radiodifusão ………………………………………………………………………. 12
1.2.11 – DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES ……………………………………………………………………… 12
1.2.12 – INSCRIÇÃO NO CNPJ………………………………………………………………………………………….. 12
1.2.13 – TRANSFERÊNCIA DE SEDE OU DE FILIAL DE OUTRA UF……………………………………. 12
1.2.14 – ASSINATURA DA FIRMA PELO EMPRESÁRIO …………………………………………………….. 12
1.2.15 – DATA DA ASSINATURA………………………………………………………………………………………. 12
1.2.16 – ASSINATURA DO EMPRESÁRIO …………………………………………………………………………. 12
1.2.17 – CAMPOS A SEREM PREENCHIDOS PELA JUNTA COMERCIAL …………………………… 12
1.2.18 – FORMULÁRIO – CONTINUAÇÃO …………………………………………………………………………. 13
1.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS………………………………………………………………………………. 13
1.3.1 – NÃO PODEM SER EMPRESÁRIOS ………………………………………………………………………. 13
1.3.2 – ATIVIDADES CUJO EXERCÍCIO PELO EMPRESÁRIO DEPENDE DE APROVAÇÃO
PRÉVIA POR ÓRGÃO GOVERNAMENTAL……………………………………………………………. 14
1.3.3 – ABERTURA DE FILIAIS CONCOMITANTEMENTE COM A INSCRIÇÃO DE
EMPRESÁRIO……………………………………………………………………………………………………… 14
1.3.4 – CONTROLE DE ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO PROFISSIONAL……………………………….. 14
1.3.5 – REPRESENTAÇÃO DO EMPRESÁRIO …………………………………………………………………. 14
1.3.6 – CÓPIAS DE DOCUMENTOS…………………………………………………………………………………. 14
1.3.7 – INSCRIÇÃO DE EMPRESÁRIO …………………………………………………………………………….. 14
1.3.8 – MICROEMPRESA/EMPRESA DE PEQUENO PORTE …………………………………………….. 15
1.3.8.1 – Enquadramento……………………………………………………………………………………… 15
1.4 – CARTA DE EXCLUSIVIDADE…………………………………………………………………………………………… 15
5
2 – ALTERAÇÃO – SEDE ………………………………………………………………………………………………………. 16
2.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA…………………………………………………………………………………………….. 16
2.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO……………………………………………… 16
2.2.1 – CAMPOS A PREENCHER…………………………………………………………………………………….. 16
2.2.1.1 – Não preencher……………………………………………………………………………………….. 17
2.2.1.2 – Códigos e descrições a utilizar…………………………………………………………………. 17
2.2.1.3 – São de preenchimento facultativo ou obrigatório, conforme o caso ………………. 17
2.2.2 – FORMULÁRIO – CONTINUAÇÃO ………………………………………………………………………….. 17
2.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS………………………………………………………………………………. 18
2.3.1 – ADEQUAÇÃO DA ANTIGA FIRMA MERCANTIL INDIVIDUAL AO CÓDIGO CIVIL ……. 18
2.3.1.1 – Firmas Mercantis Individuais registradas…………………………………………………… 18
2.3.1.2 – Código de Natureza Jurídica de Empresário ……………………………………………… 18
2.3.2 – ALTERAÇÃO DE NOME EMPRESARIAL………………………………………………………………. 18
2.3.2.1 – Nome civil ……………………………………………………………………………………………… 18
2.3.2.2 – Designação Diferenciadora ……………………………………………………………………… 18
2.3.2.3 – Filiais no Estado – providências………………………………………………………………… 18
2.3.2.4 – Filiais em outros Estados – providências……………………………………………………. 18
2.3.3 – ALTERAÇÃO DO OBJETO…………………………………………………………………………………… 18
2.3.4 – FALECIMENTO DE EMPRESÁRIO ……………………………………………………………………….. 18
2.3.4.1 – Sucessão “causa mortis” – sucessor capaz ……………………………………………….. 18
2.3.4.2 – Sucessão “causa mortis” – sucessor incapaz …………………………………………….. 19
2.3.5 – CONTINUIDADE DA EMPRESA POR INCAPAZ …………………………………………………….. 19
2.3.5.1 – Procedimentos no caso de autorização do juiz para continuação da empresa
pelo empresário antes capaz e que passou a incapaz ………………………………… 19
2.3.5.2 – Procedimentos no caso de autorização do juiz para continuação da empresa por
menor ou interdito ………………………………………………………………………………….. 19
2.3.5.3 – Procedimento no caso de autorização judicial por cessação da incapacidade (a
que se refere o item 2.3.5.1) ……………………………………………………………………. 19
2.3.5.4 – Procedimento no caso de revogação de autorização judicial (concedida
conforme itens 2.3.5.1 e 2.3.5.2)………………………………………………………………. 20
2.3.6 – EMANCIPAÇÃO DE MENOR AUTORIZADO JUDICIALMENTE A CONTINUAR A
EMPRESA …………………………………………………………………………………………………………… 20
2.3.6.1 – Arquivamento da prova da emancipação…………………………………………………… 20
2.3.7 – MUDANÇA DE ESTADO CIVIL……………………………………………………………………………… 20
2.3.8 – MUDANÇA DE REGIME DE BENS………………………………………………………………………… 20
2.3.9 – ASSINATURA DA FIRMA PELO EMPRESÁRIO …………………………………………………….. 20
2.3.10 – RERRATIFICAÇÃO ……………………………………………………………………………………………… 20
2.3.11 – TRANSFORMAÇÃO, INCORPORAÇÃO, CISÃO E FUSÃO …………………………………….. 20
2.3.11.1 – Transformação de Empresário Individual em Sociedade Empresária, contratual,
ou em Empresa Individual de Responsabilidade Limitada e vice-versa…………. 20
2.3.11.2 – Da transferência de sede e filiais ……………………………………………………………… 21
2.3.11.3 – Número de Inscrição no Registro de Empresa – NIRE ………………………………… 21
2.3.12 – DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES ……………………………………………………………………… 21
2.3.13 – COBRANÇA DE PREÇOS…………………………………………………………………………………….. 21
2.3.14 – COMPETÊNCIA PARA DECISÃO DE ARQUIVAMENTO DO ATO …………………………… 21
2.3.15 – INSTRUMENTOS A SEREM ARQUIVADOS NO ATO DE TRANSFORMAÇÃO DE
EMPRESÁRIO INDIVIDUAL EM SOCIEDADE EMPRESÁRIA OU EM EMPRESA
INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA ………………………………………………… 21
2.3.15.1 – Documentação exigida……………………………………………………………………………. 21
2.3.15.2 – Procedimento de arquivamento ……………………………………………………………….. 22
2.3.16 – PROCESSO REFERENTE À SOCIEDADE EMPRESÁRIA ………………………………………. 22
2.3.16.1 – Procedimentos de arquivamento………………………………………………………………. 23
2.3.16.2 – Procedimentos em relação a filiais existentes em outras UFs ……………………… 23
2.3.17 – ATIVIDADES CUJO EXERCÍCIO PELO EMPRESÁRIO DEPENDE DE APROVAÇÃO
PRÉVIA POR ÓRGÃO GOVERNAMENTAL……………………………………………………………. 23
2.4 – MICROEMPRESA / EMPRESA DE PEQUENO PORTE ………………………………………………………. 24
2.4.1 – ENQUADRAMENTO / DESENQUADRAMENTO / REENQUADRAMENTO ……………….. 24
3 – TRANSFERÊNCIA DE SEDE PARA OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO …………………………… 25
3.1 – SOLICITAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DA SEDE À JUNTA DA UNIDADE DA FEDERAÇÃO
ONDE ESTA SE LOCALIZA……………………………………………………………………………………………… 25
6
3.1.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA…………………………………………………………………………………. 25
3.1.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO………………………………….. 25
3.1.2.1 – Campos a preencher………………………………………………………………………………. 25
3.1.2.2 – Atividades cujo exercício pelo empresário depende de aprovação prévia por
órgão governamental ……………………………………………………………………………… 26
3.1.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS…………………………………………………………………… 26
3.1.3.1 – Busca prévia do nome empresarial…………………………………………………………… 26
3.2 – SOLICITAÇÃO DE INSCRIÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DA SEDE À JUNTA COMERCIAL DA
UNIDADE DA FEDERAÇÃO DE DESTINO ………………………………………………………………………….26
3.2.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA…………………………………………………………………………………. 26
3.2.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO………………………………….. 27
3.2.2.1 – Campos a preencher………………………………………………………………………………. 27
3.2.2.1.1 – Ocorrência de colidência de nome empresarial ………………………… 27
4 – FILIAL NA UNIDADE DA FEDERAÇÃO…………………………………………………………………………….. 28
4.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA…………………………………………………………………………………………….. 28
4.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO……………………………………………… 28
4.2.1 – ABERTURA E ALTERAÇÃO ………………………………………………………………………………… 28
4.2.1.1 – Campos a preencher………………………………………………………………………………. 28
4.2.1.1.1 – Abertura ………………………………………………………………………………. 28
4.2.1.1.2 – Alteração……………………………………………………………………………… 29
4.2.1.1.2.1 – Alteração de Nome Empresarial…………………………….29
4.2.2 – EXTINÇÃO ………………………………………………………………………………………………………….. 29
4.2.2.1 – Campos a preencher………………………………………………………………………………. 29
4.2.3 – ATIVIDADES CUJO EXERCÍCIO PELO EMPRESÁRIO DEPENDE DE APROVAÇÃO
PRÉVIA POR ÓRGÃO GOVERNAMENTAL……………………………………………………………. 30
5 – FILIAL EM OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO……………………………………………………………….. 31
5.1 – SOLICITAÇÃO À JUNTA DA UNIDADE DA FEDERAÇÃO ONDE SE LOCALIZA A SEDE ……. 31
5.1.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA…………………………………………………………………………………. 31
5.1.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO………………………………….. 31
5.1.2.1. – Campos a preencher………………………………………………………………………………. 31
5.1.2.1.1 – Abertura de filial em outra UF…………………………………………………. 32
5.1.2.1.2 – Alteração de filial em outra UF ……………………………………………….. 32
5.1.2.1.3 – Transferência ……………………………………………………………………….. 32
5.1.2.1.3.1 – Transferência de filial da UF da sede para outra UF…32
5.1.2.1.3.2 – Inscrição de transferência de filial de outra UF para a
UF da sede …………………………………………………………33
5.1.2.1.3.3 – Transferência de filial de uma UF (que não a UF da
sede) para outra UF……………………………………………..33
5.1.2.1.4 – Extinção de filial em outra UF…………………………………………………. 33
5.1.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS…………………………………………………………………… 34
5.1.3.1 – Providências nas Juntas Comerciais da sede, de origem e de destino………….. 34
5.1.3.1.1 – Abertura, alteração e extinção de filial em outra UF ………………….. 34
5.1.3.1.2 – Transferência de filial para outra UF, que não a da sede …………… 34
5.1.3.1.3 – Transferência de filial para a UF da sede…………………………………. 34
5.1.3.1.4 – Abertura ou inscrição de transferência de primeira filial da empresa
na UF ………………………………………………………………………………….. 34
5.1.3.2 – Abertura, alteração ou transferência…………………………………………………………. 34
5.1.3.2.1 – Proteção ou pesquisa prévia do nome empresarial …………………… 34
5.1.3.3 – Atividades cujo exercício pelo empresário depende de aprovação prévia por
órgão governamental ……………………………………………………………………………… 34
5.2 – SOLICITAÇÃO À JUNTA COMERCIAL DA UNIDADE DA FEDERAÇÃO …………………………….. 34
5.2.1 DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA…………………………………………………………………………………. 35
5.2.2 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS…………………………………………………………………… 36
5.2.2.1 – Campos a preencher………………………………………………………………………………. 36
5.2.2.1.1 – Abertura de filial com sede em outra UF ………………………………….. 36
5.2.2.1.2 – Alteração de filial com sede em outra UF…………………………………. 37
5.2.2.1.3 – Transferência ……………………………………………………………………….. 37
5.2.2.1.3.1 – Inscrição de Transferência de filial da UF da sede para
outra UF ……………………………………………………………..37
7
5.2.2.1.3.2 – Inscrição de transferência de filial de outra UF para a
UF da sede …………………………………………………………37
5.2.2.1.3.3 – Transferência (que não da UF da sede) de uma UF
para outra UF………………………………………………………38
5.2.2.1.3.3.1- Na Junta Comercial de origem………….. 38
5.2.2.1.3.3.2 -Inscrição de Transferência de filial na
Junta Comercial de destino (que não a UF
da sede)…………………………………………. 38
5.2.2.1.4 – Extinção de filial com sede em outra UF ………………………………….. 39
5.2.2.2 – Alteração de nome empresarial ……………………………………………………………….. 39
5.2.2.3 – Comunicação de NIRE à Junta Comercial do Estado onde se localiza a sede . 39
6 – FILIAL EM OUTRO PAÍS………………………………………………………………………………………………….. 40
6.1 – SOLICITAÇÃO À JUNTA DA UNIDADE DA FEDERAÇÃO ONDE SE LOCALIZA A SEDE ……. 40
6.1.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA…………………………………………………………………………………. 40
6.1.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO………………………………….. 40
6.1.2.1. – Campos a preencher………………………………………………………………………………. 40
6.1.2.1.1 – Abertura de filial em outro país……………………………………………….. 40
6.1.2.1.2 – Alteração de filial em outro país ……………………………………………… 41
6.1.2.1.3 – Extinção de filial em outro país……………………………………………….. 41
6.1.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS…………………………………………………………………… 42
6.1.3.1 – Providências na Junta Comercial da sede…………………………………………………. 42
6.1.3.1.1 – Abertura, alteração e extinção de filial em outro país ………………… 42
7 – EXTINÇÃO ……………………………………………………………………………………………………………………… 43
7.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA…………………………………………………………………………………………….. 43
7.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO……………………………………………… 43
7.2.1 – CAMPOS A PREENCHER…………………………………………………………………………………….. 43
7.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS………………………………………………………………………………. 43
7.3.1 – EXTINÇÃO POR FALECIMENTO DO EMPRESÁRIO ……………………………………………… 43
7.3.2 – EXTINÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DE ACERVO NA FORMAÇÃO DE SOCIEDADE NOVA
OU JÁ EXISTENTE………………………………………………………………………………………………. 44
7.3.3 – ATIVIDADES CUJO EXERCÍCIO PELO EMPRESÁRIO DEPENDE DE APROVAÇÃO
PRÉVIA POR ÓRGÃO GOVERNAMENTAL……………………………………………………………. 44
8 – PROTEÇÃO DE NOME EMPRESARIAL ……………………………………………………………………………. 45
8.1 – SOLICITAÇÃO À JUNTA DA UNIDADE DA FEDERAÇÃO ONDE SE LOCALIZA A SEDE ……. 45
8.1.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA…………………………………………………………………………………. 45
8.2 – SOLICITAÇÃO À JUNTA DA OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO……………………………………… 45
8.2.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA…………………………………………………………………………………. 45
8.2.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO………………………………….. 45
8.2.2.1 – Campos a preencher………………………………………………………………………………. 45
8.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS………………………………………………………………………………. 46
8.3.1 – COMUNICAÇÃO À JUNTA COMERCIAL DO ESTADO ONDE SE LOCALIZA A SEDE.46
9 – OUTROS ARQUIVAMENTOS …………………………………………………………………………………………… 47
9.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA…………………………………………………………………………………………….. 47
9.2 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS………………………………………………………………………………. 47
9.2.1 – ALTERAÇÃO DE NOME EMPRESARIAL – FILIAIS EM OUTRAS UNIDADES DA
FEDERAÇÃO ………………………………………………………………………………………………………. 47
9.2.2 – DOCUMENTAÇÃO OBJETO DE ARQUIVAMENTO – CÓDIGO CIVIL………………………. 47
9.2.2.1 – Nomeação de Gerente por Representante ou Assistente ……………………………. 48
9.2.2.2 – Emancipação…………………………………………………………………………………………. 48
9.2.2.2.1 – Arquivamento de prova da emancipação de incapaz autorizado
judicialmente a continuar a empresa……………………………………….. 48
9.2.2.2.2 – Arquivamento de Requerimento de Empresário Emancipado …….. 48
9.2.2.3 – Pacto Antenupcial e outros ……………………………………………………………………… 48
8
9.2.2.4 – Sentença de decretação ou de homologação de separação judicial Sentença de
homologação do ato de reconciliação……………………………………………………….. 48
9.2.2.5 – Contrato de alienação, usufruto ou arrendamento de estabelecimento …………. 49
9.2.3 – CANCELAMENTO POR DECISÃO ADMINISTRATIVA OU JUDICIAL………………………. 49
10 – RECUPERAÇÃO JUDICIAL E FALÊNCIA……………………………………………………………………………. 50
10.1 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS………………………………………………………………………………. 50
10.1.1 – AÇÃO DA JUNTA COMERCIAL ……………………………………………………………………………. 50
10.1.2 – EXTINÇÃO DAS OBRIGAÇÕES/REABILITAÇÃO ………………………………………………….. 50
10.1.3 – PREÇOS……………………………………………………………………………………………………………… 50
10.1.4 – FILIAIS EM OUTROS ESTADOS…………………………………………………………………………… 50
10.1.5 – RECUPERAÇÃO JUDICIAL – ATOS PASSÍVEIS DE ARQUIVAMENTO…………………… 50
MODELO DA CAPA DE PROCESSO/REQUERIMENTO ……………………………………………………………… 51
MODELO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO ……………………………………………………………………. 52
INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO…………………………… 53
9
1 – INSCRIÇÃO
1.1 -DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA
ESPECIFICAÇÃO No DE
VIAS
 Capa de Processo (preencher todos os campos, dispensada a assinatura no requerimento). 1
 Requerimento de Empresário
– Caso a Junta Comercial estiver utilizando o sistema da via única de arquivamento, seguir
as orientações contidas na Instrução Normativa DREI nº 03/2013.
1
– Fica mantido o sistema convencional de autenticação de documentos até a adequação da
Junta Comercial que não estiver apta a utilizar a via única. 3
 Cópia autenticada da identidade. (1)
 Comprovantes de pagamento: (2)
– Guia de Recolhimento/Junta Comercial e DARF/Cadastro Nacional de Empresas (código
6621).
 Original do documento de Viabilidade deferida em 01 (uma) via ou Pesquisa de Nome
Empresarial (busca prévia) até que a Junta Comercial passe a utilizar o sistema da consulta
de viabilidade. (3)
 Apresentar DBE – Documento Básico de Entrada em 01 (uma) via, com assinatura do
representante legal. (4)
OBSERVAÇÕES:
(1) Documentos admitidos: cédula de identidade, certificado de reservista, carteira de identidade
profissional, Carteira de Trabalho e Previdência Social ou carteira nacional de habilitação (modelo
com base na Lei no 9.503, de 23/9/97). Se o titular for estrangeiro, é exigida identidade com prova
de visto permanente e dentro do período de sua validade ou documento fornecido pelo
Departamento de Polícia Federal, com indicação do número de registro.
Caso a cópia não seja autenticada por cartório, a autenticação poderá ser efetuada pelo servidor,
no ato da apresentação da documentação, à vista do documento original.
(2) No DF, o recolhimento deve ser efetuado em um único DARF sob o código 6621. Número de vias
conforme definido pela Junta Comercial da UF.
(3) A consulta de viabilidade (pesquisa de nome empresarial e/ou endereço) no portal de serviços da Junta
Comercial.
(4) A Junta Comercial manterá convênio com a RFB para emissão de CNPJ.
1.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO
1.2.1 – CAMPOS A PREENCHER
a) De forma manual, enquanto a Junta Comercial não utilizar o meio eletrônico:
Preencher, de forma legível, os campos do Requerimento, exceto NIRE DA SEDE e NIRE DA
FILIAL e os reservados para uso da Junta Comercial, observadas as instruções a seguir. Usar tinta preta
ou azul. Os campos não preenchidos deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo
o espaço do campo. O Requerimento deverá permitir a sua reprografia, microfilmagem e digitalização.
b) De forma eletrônica:
Preencher no sítio da Junta Comercial, utilizando o aplicativo disponível. Caso tenha que ser
impresso, o mesmo deverá estar em uma qualidade que permita a sua reprografia, microfilmagem e
digitalização.
10
1.2.2 – QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO
1.2.2.1 – Nome do empresário
Indicar o nome completo, sem qualquer abreviatura.
1.2.2.2 – Nacionalidade
Indicar a nacionalidade.
1.2.2.3 – Estado civil
Declarar se é solteiro, casado, viúvo, separado judicialmente ou divorciado.
1.2.2.4 – Sexo
Indicar o sexo.
1.2.2.5 – Regime de bens do empresário
Se o empresário for casado, declarar o regime de bens (comunhão parcial, comunhão universal,
participação final nos aquestos, separação de bens).
1.2.2.6 – Filiação
Mencionar a filiação, por extenso.
1.2.2.7 – Nascido em
Indicar dia, mês e ano de nascimento.
1.2.2.8 – Identidade
Indicar o número, a sigla do órgão expedidor e a sigla da respectiva unidade da federação
mencionados no documento de identidade. No caso de identidade de estrangeiro, não indicar a UF. São
aceitos como documento de identidade: cédula de identidade, certificado de reservista, carteira de
identidade profissional, Carteira de Trabalho e Previdência Social ou carteira nacional de habilitação
(modelo com base na Lei no 9.503, de 23/9/97). Se o titular for estrangeiro, é exigida identidade com
prova de visto permanente e dentro do período de sua validade ou documento fornecido pelo
Departamento de Polícia Federal, com indicação do número de registro.
1.2.2.9 – CPF
Indicar o número do CPF.
1.2.2.10 – Emancipado por
Caso o titular seja menor de 18 (dezoito) e maior de 16 (dezesseis) anos, emancipado, deverá
indicar a forma de emancipação, e arquivar em separado a prova da emancipação, a qual deverá ser
anteriormente averbada no Registro Civil.
São hipóteses de emancipação: casamento; ato judicial; concessão dos pais; colação de grau
em curso de ensino superior; exercício de emprego público efetivo; estabelecimento civil ou comercial, ou
pela existência de relação de emprego, desde que em função deles, o menor com 16 (dezesseis) anos
completos tenha economia própria.
1.2.2.11 – Endereço
Indicar o endereço completo do domicílio compreendendo o nome do logradouro, número,
complemento, nome do bairro/distrito, número do CEP, nome do município e sigla da unidade da
federação.
1.2.3 – DECLARAÇÃO (de desimpedimento para exercer atividade empresária e de que não possui
outra inscrição de empresário) E REQUERIMENTO
Complementar o nome da Junta Comercial.
11
1.2.4 – ATO/EVENTO
1.2.4.1 – Código do Ato
Preencher com o código 080.
1.2.4.2 – Descrição do Ato
Preencher com INSCRIÇÃO.
1.2.4.3 – Código do Evento
Não preencher, no caso de inscrição.
1.2.4.4 – Descrição do Evento
Não descrever o Evento, no caso de inscrição.
1.2.5 – NOME EMPRESARIAL (FIRMA)
Indicar o nome completo ou abreviado do empresário, aditando, se quiser designação mais
precisa de sua pessoa (apelido ou nome como é mais conhecido) ou gênero de negócio, que deve constar
do objeto.
Não pode ser abreviado o último sobrenome, nem ser excluído qualquer dos componentes do
nome. Não constituem sobrenome e não podem ser abreviados: FILHO, JÚNIOR, NETO, SOBRINHO etc.,
que indicam uma ordem ou relação de parentesco.
Havendo nome igual já registrado, o empresário deverá aditar ao nome escolhido designação
mais precisa de sua pessoa ou gênero de atividade que o diferencie do outro já existente.
Exemplos de nome empresarial (firma):
José Carlos da Silva Filho, ou
J. Carlos da Silva Filho, ou
José C. da Silva Filho, ou
José Carlos da Silva Filho Mercearia.
Não é necessária a indicação de pontos nas abreviaturas, o uso, entretanto, não invalida a
informação.
Ex.: G L de Almeida
T. A. e Silva
1.2.5.1 – Microempresa (ME) / Empresa de Pequeno Porte (EPP)
A adição ao nome empresarial da expressão ME ou MICROEMPRESA e EPP ou EMPRESA
DE PEQUENO PORTE não pode ser efetuada no Requerimento de Inscrição do Empresário.
Somente depois de procedida a inscrição do Empresário e arquivada a declaração de
enquadramento como ME ou EPP, é que, nos atos posteriores, obrigatoriamente, deve ser feita a adição
de tais termos ao nome empresarial.
1.2.6 – ENDEREÇO DA EMPRESA
Indicar o endereço completo da empresa compreendendo o nome do logradouro, número,
complemento, nome do bairro/distrito, número do CEP, nome do município e sigla da unidade da
federação. O campo “País” somente será de preenchimento obrigatório no caso de abertura de filial no
estrangeiro.
1.2.7 – CORREIO ELETRÔNICO (E-mail)
Indicar o endereço eletrônico, se houver.
1.2.8 – CAPITAL
1.2.8.1 – Valor do Capital – R$
Declarar o valor do capital destacado do patrimônio do empresário, expresso em moeda corrente.
12
1.2.8.2 – Valor do Capital (por extenso)
Declarar o valor do capital, por extenso.
1.2.9 – CÓDIGO DE ATIVIDADE ECONÔMICA (CNAE)
Preencher com os códigos correspondentes às atividades descritas no objeto, conforme tabela
de Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE. Ordenar os códigos das atividades indicando
a principal e as secundárias. A atividade principal corresponde àquela que proporcionar maior valor de
receita esperada (quando da inscrição) ou realizada (quando de alteração).
1.2.10 – DESCRIÇÃO DO OBJETO
Não podem ser inseridos termos estrangeiros na descrição do objeto, exceto quando não houver
termo correspondente em português ou quando já estiver incorporado ao vernáculo nacional, bem como
a utilização das expressões: outros serviços, outras atividades não especificadas anteriormente e etc.
O objeto não poderá ser ilícito, contrário aos bons costumes, à ordem pública ou à moral,
impossível, indeterminado ou indeterminável.
1.2.10.1 – Jornalismo e Radiodifusão
Sendo o objeto da empresa jornalismo ou radiodifusão sonora e de sons e imagens, somente
pode ser empresário ou seu preposto, brasileiro nato ou naturalizado há mais de 10 (dez) anos.
1.2.11 – DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES
A informação da data de início de atividades é facultativa. Caso informado, esta deverá
corresponder à data prevista para o início das atividades, a qual não poderá ser anterior à data da
assinatura do Requerimento de Empresário. Se o Requerimento de Empresário for protocolado na Junta
Comercial após 30 (trinta) dias da data da sua assinatura pelo empresário, a Inscrição será considerada
na data do deferimento do Requerimento pela Junta Comercial e, nesse caso, a data de início de atividades
não poderá ser anterior a essa.
1.2.12 – INSCRIÇÃO NO CNPJ
Não preencher, no caso de inscrição.
1.2.13 – TRANSFERÊNCIA DE SEDE OU DE FILIAL DE OUTRA UF
Não preencher.
1.2.14 – ASSINATURA DA FIRMA PELO EMPRESÁRIO
Deverá ser aposta a assinatura da firma profissional, reproduzindo o nome da empresa indicado
no campo nome empresarial, podendo ser substituído pela assinatura autenticada com certificação digital
ou meio equivalente que comprove a sua autenticidade, ressalvado o disposto no inciso I do § 1º do art.
4º da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006.
O uso da firma é privativo do empresário, exceto no caso de incapaz autorizado judicialmente a
continuar a empresa, quando a firma será usada pelo representante ou assistente ou gerente (parágrafo
único do art. 976 do CC).
1.2.15 -DATA DA ASSINATURA
Indicar dia, mês e ano em que o Requerimento foi assinado.
1.2.16 – ASSINATURA DO EMPRESÁRIO
A assinatura deve ser a que o empresário, ou no caso de incapaz autorizado judicialmente a
continuar a empresa, e seu assistente ou representante ou gerente usa normalmente para o nome civil,
podendo ser substituído pela assinatura autenticada com certificação digital ou meio equivalente que
comprove a sua autenticidade, ressalvado o disposto no inciso I do § 1º do art. 4º da Lei Complementar nº
123, de 14 de dezembro de 2006.
1.2.17 – CAMPOS A SEREM PREENCHIDOS PELA JUNTA COMERCIAL
 DEFERIMENTO E AUTENTICAÇÃO.
13
1.2.18 – FORMULÁRIO – CONTINUAÇÃO
Quando o tamanho dos campos para descrição do objeto e ou da indicação dos códigos da
CNAE for insuficiente, deverão ser adicionados tantos formulários quantos forem necessários.
Nesse caso, cada formulário deverá receber, no canto superior direito, a indicação do seu
número de ordem dentro do conjunto de formulários, da seguinte forma: 1/2; 2/2 (se o conjunto for
composto por dois formulários).
Deverão ser preenchidos, pelo menos, em cada formulário posterior ao primeiro, os seguintes
campos:
– NIRE (da sede ou da filial, conforme o caso);
– QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
– DECLARAÇÃO (de desimpedimento para exercer atividade empresária e de que não
possui outra inscrição de empresário) E REQUERIMENTO;
– CÓDIGO DO ATO;
– DESCRIÇÃO DO ATO;
– CÓDIGO DO EVENTO (se houver);
– DESCRIÇÃO DO EVENTO (se houver);
– NOME EMPRESARIAL;
– CAMPOS CUJOS DADOS FOREM OBJETO DE COMPLEMENTAÇÃO (Objeto ou
CNAE);
– DATA DA ASSINATURA; e
– ASSINATURA DO EMPRESÁRIO (conforme constante no item 1.2.14).
Os campos não preenchidos deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo
o espaço do campo.
1.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS
1.3.1 – NÃO PODEM SER EMPRESÁRIOS
a) as pessoas absolutamente incapazes (exceto quando autorizadas judicialmente para
continuação da empresa):
 os menores de 16 (dezesseis) anos;
 os que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário
discernimento para a prática desses atos; e
 os que, mesmo por causa transitória, não puderem exprimir sua vontade;
b) as pessoas relativamente incapazes (exceto quando autorizadas judicialmente para
continuação da empresa):
 os maiores de 16 (dezesseis) e menores de 18 (dezoito) anos;
 os ébrios habituais, os viciados em tóxicos, e os que, por deficiência mental, tenham
o discernimento reduzido;
 os excepcionais, sem desenvolvimento mental completo; e
 os pródigos;
c) os impedidos de ser empresário, tais como:
 os Chefes do Poder Executivo, nacional, estadual ou municipal;
 os membros do Poder Legislativo, como Senadores, Deputados Federais e Estaduais
e Vereadores, se a empresa “goze de favor decorrente de contrato com pessoa
jurídica de direito público, ou nela exercer função remunerada”;
 os Magistrados;
 os membros do Ministério Público Federal;
 os empresários falidos, enquanto não forem reabilitados;
 as pessoas condenadas a pena que vede, ainda que temporariamente, o acesso a
cargos públicos; ou por crime falimentar, de prevaricação, peita ou suborno,
concussão, peculato; ou contra a economia popular, contra o sistema financeiro
nacional, contra as normas de defesa da concorrência, contra as relações de
14
consumo, a fé pública ou a propriedade, enquanto perdurarem os efeitos da
condenação;
 os leiloeiros;
 os cônsules, nos seus distritos, salvo os não remunerados;
 os médicos, para o exercício simultâneo da farmácia; os farmacêuticos, para o
exercício simultâneo da medicina;
 os servidores públicos civis da ativa, federais (inclusive Ministros de Estado e
ocupantes de cargos públicos comissionados em geral). Em relação aos servidores
estaduais e municipais observar a legislação respectiva;
 os servidores militares da ativa das Forças Armadas e das Polícias Militares;
 os estrangeiros (sem visto permanente);
 os estrangeiros naturais de países limítrofes, domiciliados em cidade contígua ao
território nacional;
 os estrangeiros (com visto permanente), para o exercício das seguintes atividades:
 pesquisa ou lavra de recursos minerais ou de aproveitamento dos potenciais de
energia hidráulica;
 atividade jornalística e de radiodifusão sonora e de sons e imagens;
 serem proprietários ou armadores de embarcação nacional, inclusive nos serviços
de navegação fluvial e lacustre, exceto embarcação de pesca; e
 serem proprietários ou exploradores de aeronave brasileira, ressalvado o disposto
na legislação específica;
Observação:
 portugueses, no gozo dos direitos e obrigações previstos no Estatuto da Igualdade,
comprovado mediante Portaria do Ministério da Justiça, podem requerer inscrição
como Empresários, exceto na hipótese de atividade jornalística e de radiodifusão
sonora e de sons e imagens;
 os brasileiros naturalizados há menos de dez anos, para o exercício de atividade
jornalística e de radiodifusão de sons e de sons e imagens; e
 a capacidade dos índios será regulada por lei especial.
1.3.2 – ATIVIDADES CUJO EXERCÍCIO PELO EMPRESÁRIO DEPENDE DE APROVAÇÃO PRÉVIA
POR ÓRGÃO GOVERNAMENTAL
Vide Instrução Normativa DREI n
o 14/2013.
1.3.3 – ABERTURA DE FILIAIS CONCOMITANTEMENTE COM A INSCRIÇÃO DE EMPRESÁRIO
Havendo filiais, quando da efetivação da inscrição, deverá ser efetuada, simultaneamente, a
inscrição de cada uma delas, mediante requerimentos específicos, observadas as instruções constantes
de itens próprios.
1.3.4 – CONTROLE DE ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO PROFISSIONAL
A inscrição de ato de empresário sujeita a controle de órgão de fiscalização de exercício
profissional não depende de aprovação prévia desse órgão.
1.3.5 – REPRESENTAÇÃO DO EMPRESÁRIO
Poderá o empresário ser representado por procurador com poderes específicos para a prática
do ato. Em se tratando de empresário analfabeto, a procuração deverá ser outorgada por instrumento
público.
Na procuração por instrumento particular deve constar o reconhecimento da firma do outorgante.
1.3.6 – CÓPIAS DE DOCUMENTOS
Apresentar cópia autenticada.
1.3.7 – INSCRIÇÃO DE EMPRESÁRIO
O empresário individual somente poderá ter uma única inscrição no país.
15
1.3.8 – MICROEMPRESA/EMPRESA DE PEQUENO PORTE
1.3.8.1 – Enquadramento
O enquadramento de microempresa e empresa de pequeno porte pelas Juntas Comerciais será
efetuado, conforme o caso, mediante arquivamento de declaração procedida pelo empresário em
instrumento específico para essa finalidade.
A declaração a que se refere conterá, obrigatoriamente:
I – Título da Declaração: DECLARAÇÃO DE ENQUADRAMENTO DE ME ou EPP.
II – Requerimento do empresário, dirigido ao Presidente da Junta Comercial da Unidade da
Federação a que se destina, requerendo o arquivamento da declaração, da qual constarão
os dados e o teor da declaração em conformidade com as situações a seguir:
a) nome empresarial, endereço, Número de Identificação do Registro de Empresas – NIRE,
data de registro do ato constitutivo e número de inscrição no Cadastro Nacional de
Pessoas Jurídicas – CNPJ, quando enquadrada após a sua inscrição;
b) as empresas já enquadrada na condição de microempresas ou empresas de pequeno
porte, antes do advento da Lei Complementar nº 123, de 2006, permanecerão nessa
condição, caso não incorram em alguma das situações impeditivas do § 4º do art. 3º da
referida lei. Quando presente uma das situações do mencionado dispositivo, a empresa
deverá promover o seu desenquadramento;
c) as microempresas e empresas de pequeno porte, nos termos da legislação civil,
acrescentarão à sua firma ou denominação as expressões “Microempresa” ou “Empresa
de Pequeno Porte”, ou suas respectivas abreviações “ME” ou “EPP”, conforme o caso,
sendo-lhes facultativa a inclusão do objeto da sociedade na denominação social. A
inclusão dessas abreviações não poderá ser efetuada no ato de inscrição do empresário;
e
d) a Junta Comercial, verificando que o empresário enquadrado na condição de
microempresa ou empresa de pequeno porte incorreu em alguma das situações
impeditivas para enquadramento, previstas nos incisos do § 4º do art. 3º da Lei
Complementar nº 123, de 2006, promoverá o seu desenquadramento.
1.4 – CARTA DE EXCLUSIVIDADE
O documento apresentado para arquivamento na Junta Comercial e que tenha por finalidade
fazer prova que o interessado detém a exclusividade sobre algum produto ou serviço, deverá atender os
seguintes requisitos:
a) o documento deverá ser produzido pelo agente concedente da exclusividade sobre o produto
ou sobre o serviço, na forma de “Carta de Exclusividade”, ou; documento que ateste ser o
interessado o único fornecedor de determinado produto ou serviço, emitido pelo Sindicato,
Federação ou Confederação Patronal pertinente à categoria;
b) pelo menos uma via do documento deverá ser original; e
c) o documento oriundo do exterior, além de atender os itens “a” e “b” acima, deverá também
conter o visto do Consulado Brasileiro no País de origem e ser acompanhado da tradução
feita por tradutor público juramentado.
16
2 – ALTERAÇÃO – SEDE
2.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA
ESPECIFICAÇÃO No DE
VIAS
 Capa de Processo (preencher todos os campos, dispensada a assinatura no
requerimento). 1
 Requerimento de Empresário
– Caso a Junta Comercial estiver utilizando o sistema da via única de arquivamento, seguir
as orientações contidas na Instrução Normativa DREI nº 03/2013.
1
– Fica mantido o sistema convencional de autenticação de documentos até a adequação da
Junta Comercial que não estiver apta a utilizar a via única. 3
 Documentação complementar, caso a alteração contenha:
a) mudança de nome empresarial, em virtude de alteração do nome civil:
 por casamento: original ou cópia autenticada da certidão de casamento ou cópia
autenticada da carteira de identidade (se já estiver com o nome civil modificado);
 por separação judicial/divórcio: original ou cópia autenticada da certidão de
casamento com averbação; e
 por decisão judicial: original ou cópia autenticada da certidão de nascimento com
averbação.
1
 Comprovantes de pagamento: (1)
– Guia de Recolhimento/Junta Comercial e DARF/Cadastro Nacional de Empresas (código
6621).
 Original do documento de Viabilidade deferida em 01 (uma) via ou Pesquisa de Nome
Empresarial (busca prévia) até que a Junta Comercial passe a utilizar o sistema da
viabilidade. (2)
 Apresentar DBE – Documento Básico de Entrada em 01 (uma) via, com assinatura do
representante legal. (3)
OBSERVAÇÕES:
(1) No DF, o recolhimento deve ser efetuado em um único DARF sob o código 6621. Número de vias
conforme definido pela Junta Comercial da UF.
(2) A consulta de viabilidade (pesquisa de nome empresarial e/ou endereço) no portal de serviços da Junta
Comercial, quando couber.
(3) A Junta Comercial manterá convênio com a RFB para emissão de CNPJ, quando couber.
2.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO
2.2.1- CAMPOS A PREENCHER
a) De forma manual, enquanto a Junta Comercial não utilizar o meio eletrônico:
Preencher, de forma legível, os campos do Requerimento, exceto os reservados para uso da
Junta Comercial, observadas as instruções a seguir. Usar tinta preta ou azul. Os campos não preenchidos
deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo o espaço do campo. O Requerimento
deverá permitir a sua reprografia, microfilmagem e digitalização.
b) De forma eletrônica:
Preencher no sítio da Junta Comercial, utilizando o aplicativo disponível. Caso tenha que ser
impresso, o mesmo deverá estar em uma qualidade que permita a sua reprografia, microfilmagem e
digitalização.
17
2.2.1.1 – Não preencher
 NIRE DE FILIAL;
 TRANSFERÊNCIA DE SEDE OU DE FILIAL DE OUTRA UF – NIRE Anterior e UF;
Os casos de preenchimento desses campos são tratados em itens próprios deste Manual.
2.2.1.2 – Códigos e descrições a utilizar
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração.
 CÓDIGO DO EVENTO e DESCRIÇÃO DO EVENTO:
(os eventos podem ser utilizados simultaneamente, quando cabíveis)
020 – Alteração de nome empresarial;
021 – Alteração de dados – exceto nome empresarial;022 – Alteração de dados e de
nome empresarial;
048 – Rerratificação;
052 – Reativação; e
961 – Autorização de transferência de titularidade por sucessão.
2.2.1.3 – São de preenchimento facultativo ou obrigatório, conforme o caso
 DATA DE INÍCIO DE ATIVIDADE: a informação da data de início de atividade é facultativa; e
 ASSINATURA DA FIRMA PELO EMPRESÁRIO: a assinatura da firma é obrigatória somente
quando essa for objeto de alteração ou de adição (vide item 2.3.10) ou supressão da
expressão ME, microempresa ou EPP, empresa de pequeno porte, podendo ser substituído
pela assinatura autenticada com certificação digital ou meio equivalente que comprove a sua
autenticidade, ressalvado o disposto no inciso I do § 1º do art. 4º da Lei Complementar nº
123, de 14 de dezembro de 2006.
2.2.2 – FORMULÁRIO – CONTINUAÇÃO
Quando o tamanho dos campos para descrição do objeto e ou da indicação dos códigos da
CNAE for insuficiente, deverão ser adicionados tantos formulários quantos forem necessários.
Nesse caso, cada formulário deverá receber, no canto superior direito, a indicação do seu
número de ordem dentro do conjunto de formulários, da seguinte forma: 1/2; 2/2 (se o conjunto for
composto por dois formulários).
Deverão ser preenchidos, pelo menos, em cada formulário posterior ao primeiro, os seguintes
campos:
– NIRE (da sede ou da filial, conforme o caso);
– QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
– DECLARAÇÃO (de desimpedimento para exercer atividade empresária e de que não
possui outra inscrição de empresário) E REQUERIMENTO;
– CÓDIGO DO ATO;
– DESCRIÇÃO DO ATO;
– CÓDIGO DO EVENTO (se houver);
– DESCRIÇÃO DO EVENTO (se houver);
– NOME EMPRESARIAL;
– CAMPOS CUJOS DADOS FOREM OBJETO DE COMPLEMENTAÇÃO (Objeto ou
CNAE);
– DATA DA ASSINATURA; e
– ASSINATURA DO EMPRESÁRIO (conforme item 2.2.1.3);
Os campos não preenchidos deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo
o espaço do campo.
18
2.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS
2.3.1 – ADEQUAÇÃO DA ANTIGA FIRMA MERCANTIL INDIVIDUAL AO CÓDIGO CIVIL
2.3.1.1 – Firmas Mercantis Individuais registradas
As Firmas Mercantis Individuais passarão, automaticamente, a partir da vigência do novo Código
Civil, a constar nos cadastros das Juntas Comerciais com a nomenclatura de EMPRESÁRIO. Esse ajuste,
entretanto, não dispensa o arquivamento.
2.3.1.2 – Código de Natureza Jurídica de Empresário
Todos os formulários em que é solicitado o código de Natureza Jurídica de Empresário deverá
ser informado: 213-5 – EMPRESÁRIO.
2.3.2 – ALTERAÇÃO DE NOME EMPRESARIAL
2.3.2.1 – Nome civil
A alteração do nome civil do empresário enseja a modificação do nome empresarial.
2.3.2.2 – Designação Diferenciadora
A designação adicionada ao nome do empresário, para diferenciá-lo de outro já existente, é
passível de inclusão, alteração ou supressão de termo.
2.3.2.3 – Filiais no Estado – providências
A alteração de nome empresarial da sede estende-se, automaticamente, às suas filiais no
Estado, sem necessidade de apresentação de novos Requerimentos.
2.3.2.4 – Filiais em outros Estados – providências
Ocorrendo o arquivamento de alteração de nome empresarial na Junta da sede da empresa,
cabe ao empresário promover, nas Juntas Comerciais dos outros Estados em que estejam localizadas
suas filiais, o arquivamento de documento que comprove a alteração do nome empresarial, a fim de que
o nome da empresa também seja alterado em relação a essas filiais.
São documentos hábeis para essa finalidade: uma via do Requerimento de Empresário de
alteração do nome empresarial arquivado na Junta Comercial da sede, Certidão de Inteiro Teor ou cópia
autenticada daquele Requerimento ou, ainda, Certidão Simplificada que contenha a alteração do nome
empresarial.
Quanto à documentação exigida para fins de arquivamento, vide item OUTROS
ARQUIVAMENTOS deste Manual.
No requerimento constante da Capa de Processo deverá ser indicado o ATO 310 – OUTROS
DOCUMENTOS e o EVENTO 020 – Alteração de Nome Empresarial.
2.3.3 – ALTERAÇÃO DO OBJETO
Quando houver alteração do objeto, deverá constar do Requerimento de Empresário o novo
objeto, em sua totalidade, e não somente as partes alteradas.
2.3.4 – FALECIMENTO DE EMPRESÁRIO
A morte do empresário acarreta a extinção da empresa, ressalvada a hipótese de sua
continuidade por autorização judicial ou sucessão por escritura pública de partilha de bens.
2.3.4.1 – Sucessão “causa mortis” – sucessor capaz
A Junta Comercial arquivará a autorização judicial recebida (ato: 901 – OFÍCIO; evento: 961 –
Autorização de transferência de titularidade por sucessão).
Em seguida, deverá ser arquivado Requerimento de Empresário, promovendo a mudança da
titularidade.
Deverá constar do Requerimento de Empresário: ato: 002 – ALTERAÇÃO; eventos: 961 –
Autorização de transferência de titularidade por sucessão e 022 – Alteração de dados e de nome
empresarial. Será mantido o NIRE e o CNPJ da empresa, incluir campo com o CPF do sucessor.
19
2.3.4.2 – Sucessão “causa mortis” – sucessor incapaz (vide item seguinte)
2.3.5 – CONTINUIDADE DA EMPRESA POR INCAPAZ
Poderá o incapaz, por meio de representante ou devidamente assistido, continuar a empresa
antes exercida por ele enquanto capaz, por seus pais ou pelo autor de herança. Nesses casos, precederá
autorização judicial, a qual poderá ser revogada pelo juiz, sem prejuízo dos direitos adquiridos por
terceiros.
Se o representante ou assistente do incapaz for pessoa que, por disposição de lei, não puder
exercer atividade de empresário, nomeará, com a aprovação do juiz, um ou mais gerentes. Essa
nomeação, devidamente autorizada, deverá ser arquivada na Junta Comercial, caso não conste da
autorização judicial para continuação da empresa pelo incapaz. Do mesmo modo será nomeado gerente
em todos os casos em que o juiz entender ser conveniente.
2.3.5.1 – Procedimentos no caso de autorização do juiz para continuação da empresa pelo
empresário antes capaz e que passou a incapaz
A Junta Comercial arquivará a autorização judicial recebida (ato: 901 – OFÍCIO; eventos: 962 –
Autorização de incapaz e 965 – Designação de representante ou assistente; e, se constar da autorização
judicial, 224 – Nomeação de gerente por representante ou assistente).
A Junta Comercial cadastrará o representante ou o assistente com base na autorização judicial,
bem como o(s) gerente(s), se dela constar.
Os requerimentos perante a Junta Comercial, quando houver, serão assinados pelo
representante ou pelo assistente do incapaz juntamente com esse (se não for nomeado gerente). Mesmo
com a nomeação de gerente, poderá o representante ou assistente assinar os atos que lhe são próprios
(nomeação e destituição de gerente, com prévia homologação judicial).
Se o juiz determinar a nomeação de gerente(s) deverá ser arquivado o documento nomeando
um ou mais gerentes, o qual deverá conter a aprovação do juiz. Ato a ser utilizado no requerimento de
arquivamento: 224 – NOMEAÇÃO DE GERENTE POR REPRESENTANTE OU ASSISTENTE.
A Junta Comercial cadastrará o gerente com base no ato de nomeação. Havendo nomeação de
gerente, esse é quem usará da firma.
2.3.5.2 – Procedimentos no caso de autorização do juiz para continuação da empresa por menor ou
interdito
A Junta Comercial arquivará a autorização judicial recebida (ato: 901 – OFÍCIO; eventos: 962 –
Autorização de incapaz e 965 – Designação de representante ou assistente; e, se constar da autorização
judicial, 224 – Nomeação de gerente por representante ou assistente).
A Junta Comercial cadastrará o representante ou o assistente com base na autorização judicial,
bem como o(s) gerente(s), se dela constar.
Se o juiz determinar a nomeação de gerente(s), antes do arquivamento do Requerimento de
Empresário mencionado a seguir, deverá ser arquivado o documento nomeando um ou mais gerentes, o
qual deverá conter a aprovação do juiz. Ato a ser utilizado no requerimento de arquivamento: 224 –
NOMEAÇÃO DE GERENTE POR REPRESENTANTE OU ASSISTENTE.
A Junta Comercial cadastrará o gerente com base no ato de nomeação. Havendo nomeação de
gerente, esse é quem usará da firma.
Em função da autorização judicial, deverá ser apresentado à Junta Comercial, para
arquivamento, Requerimento de Empresário contendo: ato: 002 – ALTERAÇÃO; eventos: 961 –
Autorização de transferência de titularidade por sucessão e 020 – Alteração de nome empresarial ou 022
– Alteração de dados e de nome empresarial.
O Requerimento de Empresário será assinado pelo representante ou pelo assistente e o
assistido, conforme o caso ou pelo gerente, se houver nomeação desse. Mesmo com a nomeação de
gerente, poderá o representante assinar os atos que lhe são próprios (nomeação e destituição de gerente).
2.3.5.3 – Procedimento no caso de autorização judicial por cessação da incapacidade (a que se
refere o item 2.3.5.1)
A Junta Comercial arquivará a autorização judicial recebida (código do ato: 901 – OFÍCIO; código
do evento: 964 – Cessação de incapacidade).
20
A Junta registrará a data de término da autorização no cadastro do representante ou do
assistente, conforme o caso e dos gerentes, se houverem.
A partir do arquivamento da autorização judicial, o empresário retornará a usar da firma.
2.3.5.4 – Procedimento no caso de revogação de autorização judicial (concedida conforme itens
2.3.5.1 e 2.3.5.2)
A Junta Comercial arquivará a revogação judicial recebida do juiz (código do ato: 901 – OFÍCIO;
código do evento: 963 – Revogação de autorização de incapaz).
A Junta registrará a data de término da autorização no cadastro do representante ou do
assistente, conforme o caso e dos gerentes, se houverem.
Outros procedimentos dependerão de autorização judicial.
2.3.6 – EMANCIPAÇÃO DE MENOR AUTORIZADO JUDICIALMENTE A CONTINUAR A EMPRESA
A prova (ato judicial) da emancipação de menor autorizado judicialmente a continuar a empresa
será arquivada na Junta Comercial.
2.3.6.1 – Arquivamento da prova da emancipação
No caso de arquivamento da prova da emancipação são necessários dois processos, cujos
requerimentos serão assinados pelo emancipado.
A prova da emancipação será apresentada à Junta Comercial em processo próprio, devendo ser
informado no requerimento constante da Capa de Processo o ato 208 – EMANCIPAÇÃO.
Junto a esse processo, deverá ser apresentado outro relativo ao Requerimento de Empresário
que deverá indicar como ato: 002 – ALTERAÇÃO e evento: 021 – Alteração de dados (exceto nome
empresarial).
2.3.7 – MUDANÇA DE ESTADO CIVIL
A mudança de estado civil do empresário implica no arquivamento de Requerimento de
Empresário, o qual deverá conter: ato: 002 – ALTERAÇÃO; evento: 021 – Alteração de dados (exceto nome
empresarial) ou 022 – Alteração de dados e de nome empresarial, se juntamente com a mudança do estado
civil houver a alteração do nome do empresário.
Quando a mudança do estado civil decorrer de sentença que decretar ou homologar o estado
civil do empresário ou homologar o ato de reconciliação essa deve ser, após, de averbada no Registro
Civil, arquivada na Junta Comercial em processo próprio.
2.3.8 – MUDANÇA DE REGIME DE BENS
A mudança do regime de bens do empresário implica no arquivamento de Requerimento de
Empresário, o qual deverá conter: ato: 002 – ALTERAÇÃO; evento: 021 – Alteração de dados (exceto nome
empresarial).
A alteração supracitada depende de autorização judicial em pedido motivado de ambos os
cônjuges, a qual deverá instruir o processo.
2.3.9 – ASSINATURA DA FIRMA PELO EMPRESÁRIO
Após a empresa enquadrar-se na condição de microempresa ou empresa de pequeno porte,
obrigatoriamente, o empresário deverá assinar a firma acrescida da expressão ME ou microempresa ou
EPP ou empresa de pequeno porte, conforme opção efetuada na declaração de enquadramento.
2.3.10 – RERRATIFICAÇÃO
Esse procedimento somente será aceitável na ocorrência de erro material.
2.3.11 – TRANSFORMAÇÃO, INCORPORAÇÃO, CISÃO E FUSÃO
Não se aplicam aos empresários os processos de incorporação, cisão e fusão de sociedades.
2.3.11.1 – Transformação de Empresário Individual em Sociedade Empresária contratual ou em
Empresa Individual de Responsabilidade Limitada e vice-versa
Transformação de registro é a operação pela qual o empresário individual, a sociedade
empresária e a empresa individual de responsabilidade limitada altera o tipo jurídico, sem sofrer dissolução
21
ou liquidação, obedecidas as normas reguladoras da constituição e do registro da nova forma a ser
adotada.
A transformação de registro de empresário em sociedade empresária ou em empresa individual
de responsabilidade limitada e vice-versa não abrange as sociedades anônimas, sociedades simples e as
cooperativas.
No ato de transformação de registro serão aceitas alterações relativas ao nome empresarial e
ao capital.
2.3.11.2 – Da transferência de sede e filiais
A transferência de sede para outra Unidade da Federação e a reativação a que se refere o § 4º
do art. 60 da Lei nº 8.934, de 1994, deverão ser promovidas em atos próprios, sendo a reativação
arquivada antes da transformação e a transferência de sede antes ou após a transformação.
As filiais que não forem objeto de continuidade na transformação de registro deverão ser extintas
antes de efetivada a transformação.
As filiais mantidas terão seus cadastros reproduzidos, automaticamente, para o novo tipo
jurídico, devendo constar do ato de inscrição ou de constituição.
2.3.11.3 – Número de Inscrição no Registro de Empresa – NIRE
O empresário individual, a sociedade ou a empresa individual de responsabilidade limitada
resultante da transformação de registro receberá o Número de Identificação do Registro de Empresa –
NIRE pertinente à sua natureza jurídica, e as filiais que forem mantidas continuarão com os NIREs a elas
atribuídos.
2.3.12 – DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES
Será considerada como data de início das atividades aquela constante na inscrição ou na
constituição originária.
2.3.13 – COBRANÇA DE PREÇOS
A transformação de registro de empresário individual em sociedade contratual ou em empresa
individual de responsabilidade limitada e vice-versa, deverá ser formalizada em dois processos, sendo um
para a natureza jurídica em transformação e outro para a natureza jurídica transformada.
Nos processos de transformação de registro de empresário individual em sociedade empresária
ou em empresa individual de responsabilidade limitada e vice-versa a cobrança dos serviços incidirá sobre
cada um dos instrumentos integrantes da transformação.
Não é devido o valor do CNE em relação às informações sobre filiais mantidas, pertinentes ao
tipo jurídico transformado.
2.3.14 – COMPETÊNCIA PARA DECISÃO DE ARQUIVAMENTO DO ATO
Estão sujeitos ao regime de decisão singular os atos de transformação de registro de empresário
individual em sociedade ou em empresa individual de responsabilidade limitada e vice-versa.
2.3.15 – INSTRUMENTOS A SEREM ARQUIVADOS NO ATO DE TRANSFORMAÇÃO DE
EMPRESÁRIO INDIVIDUAL EM SOCIEDADE EMPRESÁRIA OU EM EMPRESA INDIVIDUAL DE
RESPONSABILIDADE LIMITADA
A transformação de registro de empresário individual em sociedade ou em empresa individual
de responsabilidade limitada será processada pela Junta Comercial nos instrumentos próprios.
2.3.15.1 – Documentação exigida
 Capa de Processo/Requerimento.
Código e descrição do ato: 002 – Alteração; e
Código e descrição do evento: 046 – Transformação.
 Requerimento de Empresário, no mínimo em quatro vias;
Código e descrição do ato: 002 – Alteração; e
Código e descrição do evento: 046 – Transformação.
 Comprovantes de pagamento do preço do serviço da Junta Comercial e do valor do CNE.
22
2.3.15.2 – Procedimento de arquivamento
 As Juntas que mantêm pasta de prontuário, deverá manter uma via do Requerimento de
Empresário, após deferimento, arquivada no prontuário do Empresário, juntamente com uma
via original do contrato social, autenticado.
 As Juntas que utilizam arquivo digital com certificação, deverá manter padrões de Certificação
Digital e Eletrônica, Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil (MP 2200-2 de
24 de agosto de 2001).
2.3.16 – PROCESSO REFERENTE À SOCIEDADE EMPRESÁRIA (Ex.: Soc. Ltda.)
Documentação exigida
 Capa de Processo / Requerimento.
Código e descrição do ato: 090 – Contrato; e
Código e descrição do evento: 046 – Transformação.
 Contrato Social por Transformação de Empresário, no mínimo em três vias. Elaborado
com observância das disposições contidas no Manual de Registro de Sociedade Limitada,
com as adequações constantes do modelo abaixo.
 Demais documentos exigidos para o arquivamento de contrato, conforme o caso; e
 Comprovantes de pagamento do preço do serviço e do valor do CNE. Havendo filiais, estas
não estão sujeitas a pagamento do valor do CNE.
Contrato social
Sugere-se, como segue, modelo de cabeçalho, de preâmbulo e de cláusula do capital para o
contrato social:
Cabeçalho:
CONTRATO SOCIAL
POR TRANSFORMAÇÃO DE EMPRESÁRIO
Nome Empresarial (da Sociedade) ___________
Preâmbulo:
(Nome civil por extenso, do empresário), nacionalidade, estado civil, data de nascimento (se
solteiro), profissão, identidade (nº, órgão expedidor e UF), CPF nº ___________________, residente e
domiciliado(a) na ________________________________, Empresário(a), com sede na
____________________________, inscrito na Junta Comercial ____________________ sob o NIRE
_____________________ e no CNPJ sob nº __________________, fazendo uso do que permite o § 3º
do art. 968 da Lei nº 10.406/2002, com a redação alterada pelo art. 10 da Lei Complementar nº 128/2008,
ora transforma seu registro de EMPRESÁRIO(A) em SOCIEDADE EMPRESÁRIA, uma vez que admitiu
o(a) sócio(a) (nome civil por extenso), nacionalidade, estado civil, data de nascimento (se solteiro),
profissão, identidade (nº, órgão expedidor e UF), CPF nº ______________, residente e domiciliado(a) na
_____________________, passando a constituir o tipo jurídico SOCIEDADE LIMITADA, a qual se regerá,
doravante, pelo presente CONTRATO SOCIAL ao qual se obrigam mutuamente todos os sócios.
Cláusulas:
DO CAPITAL SOCIAL
CLÁUSULA – ___________
O capital social é de R$ ________ (por extenso), dividido em __________ (por extenso) quotas
de R$ ________ (por extenso) cada uma, formado por R$ ___________ (por extenso) em moeda corrente
do País, R$ ________ (por extenso) em bem(ns) móvel(is), R$ _______ (por extenso) em outros bens e
R$ _________ (por extenso) em bem(ns) imóvel(is), sendo subscrito e com integralização pelos sócios
como segue:
23
Fulano de Tal (sócio ex-empresário) ____________, ______ quotas, no valor de R$ ________ –
____% do capital, que integraliza neste ato o valor de R$ _____, sendo R$ ________ em moeda corrente
do País, R$ ________ em bem(ns) móvel(is), R$ _______ em outros bens e R$ _______ em bem(ns)
imóvel(is) abaixo descrito(s):
a) identificação, área, dados relativos a sua titulação e número de sua matrícula no Registro Imobiliário;
b) ____________________ .
Beltrano de Tal ____________, ______ quotas, no valor de R$ ________ – ____% do capital,
que integraliza neste ato o valor de R$ _____, sendo R$ ________ em moeda corrente do País, R$
________ em bem(ns) móvel(is), R$ _______ em outros bens e R$ _______ em bem(ns) imóvel(is) abaixo
descrito(s):
a) identificação, área, dados relativos a sua titulação e número de sua matrícula no Registro Imobiliário;
b) ____________________ ;
ficando a integralizar R$ ____________:
– em moeda corrente do País: R$ _____ em ____/____/____, R$ _____ em ____/____/____,
– em bens móveis: R$ _____ em ____/____/____, R$ _____ em ____/____/____,
– bens imóveis: R$ _____ em ____/____/____, R$ _____ em ____/____/____,
– em outros bens: R$ _____ em ____/____/____, R$ _____ em ____/____/____.
Observações:
a) em relação às cláusulas do contrato social, o empresário deve, no mínimo, incluir as cláusulas
obrigatórias previstas no Manual de Atos de Registro de Sociedade Limitada, assim como
outras do seu interesse, desde que não contrariem a Lei; e
b) nos atos de transformação e empresário em sociedade contratual será exigido o visto do
advogado, exceto se a sociedade for enquadrada como “ME” ou “EPP”.
2.3.16.1 – Procedimentos de arquivamento
 As Juntas que mantêm pasta de prontuário, deverá manter uma via do Requerimento de
Empresário, após deferimento, arquivada no prontuário do Empresário, juntamente com uma
via original do contrato social, autenticado.
 As Juntas que utilizam arquivo digital com certificação, deverá manter padrões de Certificação
Digital e Eletrônica, Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil (MP 2200-2, de
24 de agosto de 2001).
2.3.16.2 – Procedimentos em relação a filiais existentes em outras UFs
 Deverão ser descritos no ato constitutivo os endereços completos das filiais existentes e
indicados os NIREs respectivos.
 A sociedade limitada deverá promover, nas Juntas Comerciais das outras unidades da
federação em que houver filiais mantidas, o arquivamento de documento que comprove a
transformação (via do ato constitutivo referente à transformação, arquivado na Junta
Comercial da sede; Certidão de Inteiro Teor ou cópia autenticada desse documento; ou
Certidão Simplificada que contenha a transformação).
 No requerimento constante da Capa de Processo deverá ser indicado o ATO 310 – OUTROS
DOCUMENTOS DE INTERESSE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO e o EVENTO 030 –
ALTERAÇÃO DE FILIAL COM SEDE EM OUTRA UF, para alteração do NIRE da sede, nome
empresarial e natureza jurídica.
2.3.17 – ATIVIDADES CUJO EXERCÍCIO PELO EMPRESÁRIO DEPENDE DE APROVAÇÃO PRÉVIA
POR ÓRGÃO GOVERNAMENTAL
Vide Instrução Normativa DREI n
o 14/2013.
24
2.4 – MICROEMPRESA/EMPRESA DE PEQUENO PORTE
2.4.1 – ENQUADRAMENTO / DESENQUADRAMENTO / REENQUADRAMENTO
O enquadramento, reenquadramento e desenquadramento de microempresa e empresa de
pequeno porte pelas Juntas Comerciais será efetuado, conforme o caso, mediante arquivamento de
declaração procedida pelo empresário ou sociedade em instrumento específico para essa finalidade.
A declaração a que se refere este artigo conterá, obrigatoriamente:
I – Título da Declaração, conforme o caso:
a) DECLARAÇÃO DE ENQUADRAMENTO de ME ou EPP;
b) DECLARAÇÃO DE REENQUADRAMENTO de ME para EPP ou de EPP para ME; e
c) DECLARAÇÃO DE DESENQUADRAMENTO de ME ou EPP;
II – Requerimento do empresário, dirigido ao Presidente da Junta Comercial da Unidade da
Federação a que se destina, requerendo o arquivamento da declaração, da qual constarão
os dados e o teor da declaração em conformidade com as situações a seguir:
a) enquadramento:
1. nome empresarial, endereço, Número de Identificação do Registro de Empresas –
NIRE, data de registro do ato constitutivo e número de inscrição no Cadastro Nacional
da Pessoa Jurídica – CNPJ, quando enquadrada após a sua constituição; e
2. declaração, sob as penas da lei, do empresário que se enquadra na situação de
microempresa ou empresa de pequeno porte, nos termos da Lei Complementar nº 123,
de 2006;
b) reenquadramento:
1. nome empresarial, endereço, Número de Identificação do Registro de Empresas –
NIRE, data de registro do ato constitutivo e número de inscrição no Cadastro Nacional
da Pessoa Jurídica – CNPJ; e
2. a declaração, sob as penas da lei, do empresário que se reenquadra na condição de
microempresa ou empresa de pequeno porte, nos termos da Lei Complementar nº 123,
de 2006;
c) desenquadramento
1. nome empresarial, endereço, Número de Identificação do Registro de Empresas –
NIRE, data de registro do ato constitutivo e número de inscrição no Cadastro Nacional
da Pessoa Jurídica – CNPJ;
2. a declaração, sob as penas da lei, do empresário que se desenquadra da condição de
microempresa ou empresa de pequeno porte, nos termos da Lei Complementar nº 123,
de 2006;
3. as empresas já enquadradas na condição de microempresas ou empresas de pequeno
porte, antes do advento da Lei Complementar nº 123, de 2006, permanecerão nessa
condição, caso não incorram em alguma das situações impeditivas do § 4º do art. 3º
da referida lei. Quando presente uma das situações do mencionado dispositivo, a
empresa deverá promover o seu desenquadramento;
4. a Junta Comercial, verificando que o empresário enquadrado na condição de
microempresa ou empresa de pequeno porte incorreu em alguma das situações
previstas no § 4º do art. 3º da Lei Complementar nº 123, de 2006, promoverá o seu
desenquadramento; e
5. mediante denúncia de órgãos ou entidades de fiscalização tributária, conforme o art.
33 da Lei Complementar nº 123, de 2006, em que o empresário incorreu nas situações
previstas no § 4º do art. 3º da referida Lei Complementar, a Junta Comercial promoverá
o arquivamento da comunicação e cadastrará o teor da denúncia no Cadastro Estadual
de Empresas Mercantis – CEE.
25
3 – TRANSFERÊNCIA DE SEDE PARA
OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO
Para transferir a sede de empresa para outra unidade da federação, são necessárias
providências na Junta Comercial da unidade da federação de origem e na Junta Comercial da unidade da
Federação para onde será transferida.
3.1 – SOLICITAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DA SEDE À JUNTA DA UNIDADE DA FEDERAÇÃO ONDE
ESTA SE LOCALIZA
3.1.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA
ESPECIFICAÇÃO No DE
VIAS
 Capa de Processo (preencher todos os campos, dispensada a assinatura no requerimento) 1
 Requerimento de Empresário
– Caso a Junta Comercial estiver utilizando o sistema da via única de arquivamento, seguir
as orientações contidas na Instrução Normativa DREI nº 03/2013.
1
– Fica mantido o sistema convencional de autenticação de documentos até a adequação
da Junta Comercial que não estiver apta a via única. 3
 Comprovantes de pagamento: (1)
– Guia de Recolhimento/Junta Comercial e DARF/Cadastro Nacional de Empresas (código
6621).
 Original do documento de Viabilidade deferida em 01 (uma) via ou Pesquisa de Nome
Empresarial (busca prévia) até que a Junta Comercial passe a utilizar o sistema da consulta
de viabilidade. (2)
 Apresentar DBE – Documento Básico de Entrada em 01 (uma) via, com assinatura do
representante legal. (3)
 Se a transferência for para Faixa de Fronteira:
– aprovação prévia pelo Conselho de Defesa Nacional, quando for o caso. 1
OBSERVAÇÕES:
(1) No DF, o recolhimento deve ser efetuado em um único DARF sob o código 6621. Número de vias
conforme definido pela Junta Comercial da UF.
(2) A consulta de viabilidade (pesquisa de nome empresarial e/ou endereço) no portal de serviços da Junta
Comercial, quando couber.
(3) A Junta Comercial manterá convênio com a RFB para emissão de CNPJ, quando couber.
3.1.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO
3.1.2.1 – Campos a preencher
a) De forma manual, enquanto a Junta Comercial não utilizar o meio eletrônico:
Preencher, de forma legível, os campos do Requerimento, exceto os reservados para uso da
Junta Comercial, observadas as instruções a seguir. Usar tinta preta ou azul. Os campos não preenchidos
deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo o espaço do campo. O Requerimento
deverá permitir a sua reprografia, microfilmagem e digitalização.
b) De forma eletrônica:
Preencher no sítio da Junta Comercial, utilizando o aplicativo disponível. Caso tenha que ser
impresso, o mesmo deverá estar em uma qualidade que permita a sua reprografia, microfilmagem e
digitalização.
26
Observar o seguinte em relação aos campos abaixo:
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 038 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Transferência de sede para
outra UF;
 ENDEREÇO DA EMPRESA: os campos referentes ao endereço devem ser
preenchidos com o NOVO ENDEREÇO da sede.
3.1.2.2 – Atividades cujo exercício pelo empresário depende de aprovação prévia por Órgão
Governamental
Vide Instrução Normativa DREI n
o14/2013.
3.1.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS
3.1.3.1 – Busca prévia do nome empresarial
Antes de dar entrada na documentação, é recomendável requerer a consulta de viabilidade do
Nome Empresarial ou Pesquisa de Nome Empresarial à Junta Comercial da unidade da federação para
onde será transferida a sede, para evitar sustação do registro naquela Junta Comercial por colidência com
nome empresarial já protegido.
Havendo colidência, será necessário alterar o nome empresarial na Junta da unidade da
federação onde se localiza a sede. Neste caso, seguir as instruções para composição do nome empresarial
em “Inscrição”.
Não sendo feita a consulta de viabilidade ou a pesquisa de nome empresarial e havendo
colidência na Junta Comercial da outra unidade da federação, depois de deferido o ato de transferência
pela Junta Comercial da sede anterior, deverá ser arquivado, concomitantemente com a Inscrição de
transferência de sede, novo Requerimento com a mudança do nome empresarial.
3.2 – SOLICITAÇÃO DE INSCRIÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DA SEDE À JUNTA COMERCIAL DA
UNIDADE DA FEDERAÇÃO DE DESTINO
3.2.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA
ESPECIFICAÇÃO No DE
VIAS
 Capa de Processo (preencher todos os campos, dispensada a assinatura no
requerimento). 1
 Requerimento de Empresário
– Caso a Junta Comercial estiver utilizando o sistema da via única de arquivamento, seguir
as orientações contidas na Instrução Normativa DREI nº 03/2013.
1
– Fica mantido o sistema convencional de autenticação de documentos até a adequação
da Junta Comercial que não estiver apta a utilizar a via única. 3
 Uma via chancelada do Requerimento de Empresário arquivada, referente à transferência
da sede efetuada na Junta Comercial da Unidade da Federação de origem;
ou Certidão de Inteiro Teor ou cópia autenticada do documento acima;
ou Certidão Simplificada indicando a transferência de sede como último ato arquivado e
indicando o novo endereço. 1
 Comprovantes de pagamento: (1)
– Guia de Recolhimento/Junta Comercial e DARF/Cadastro Nacional de Empresas (código
6621).
 Original do documento de consulta de Viabilidade deferida em 01 (uma) via ou Pesquisa
de Nome Empresarial (busca prévia) até que a Junta Comercial passe a utilizar o sistema
da viabilidade. (2)
 Apresentar DBE – Documento Básico de Entrada em 01 (uma) via, com assinatura do
representante legal. (3)
OBSERVAÇÕES:
(1) No DF, o recolhimento deve ser efetuado em um único DARF sob o código 6621. Número de vias
conforme definido pela Junta Comercial da UF.
27
(2) A consulta de viabilidade (pesquisa de nome empresarial e/ou endereço) no portal de serviços da Junta
Comercial, quando couber.
(3) A Junta Comercial manterá convênio com a RFB para emissão de CNPJ, quando couber.
3.2.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO
3.2.2.1 – Campos a preencher
a) De forma manual, enquanto a Junta Comercial não utilizar o meio eletrônico:
Preencher, de forma legível, os campos do Requerimento, exceto os reservados para uso da
Junta Comercial, observadas as instruções a seguir. Usar tinta preta ou azul. Os campos não preenchidos
deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo o espaço do campo. O Requerimento
deverá permitir a sua reprografia, microfilmagem e digitalização.
b) De forma eletrônica:
Preencher no sítio da Junta Comercial, utilizando o aplicativo disponível. Caso tenha que ser
impresso, o mesmo deverá estar em uma qualidade que permita a sua reprografia, microfilmagem e
digitalização.
Observar o seguinte em relação aos campos abaixo:
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 039 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Inscrição de transferência de
sede de outra UF;
 DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES – se informada, deverá corresponder à data de início
das atividades na UF onde foi efetuada a inscrição do empresário; e
 TRANSFERÊNCIA DE SEDE OU DE FILIAL DE OUTRA UF – informar o NIRE da sede
anterior e a respectiva UF.
3.2.2.1.1 – Ocorrência de colidência de nome empresarial
Não sendo feita a proteção ou a pesquisa de nome empresarial e havendo colidência na Junta
Comercial da outra unidade da federação, após deferido o ato de transferência pela Junta Comercial da
sede anterior, deverá ser arquivado, concomitantemente com a inscrição da transferência da sede, outro
Requerimento de Empresário para mudança do nome empresarial, cujo processo tramitará vinculado ao
da inscrição de transferência da sede.
Deverão constar do Requerimento de Empresário os seguintes códigos e descrições de ato e
eventos:
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 039 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Inscrição de transferência de
sede de outra UF; e
 CÓDIGO DO EVENTO: 020 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Alteração de nome empresarial.
28
4 – FILIAL NA UNIDADE DA FEDERAÇÃO
4.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA
Para ABERTURA, ALTERAÇÃO e EXTINÇÃO
ESPECIFICAÇÃO No DE
VIAS
 Capa de Processo (preencher todos os campos, dispensada a assinatura no
requerimento). 1
 Requerimento de Empresário
– Caso a Junta Comercial estiver utilizando o sistema da via única de arquivamento, seguir
as orientações contidas na Instrução Normativa DREI nº 03/2013.
1
– Fica mantido o sistema convencional de autenticação de documentos até a adequação
da Junta Comercial que não estiver apta a utilizar a via única. 3
 Comprovantes de pagamento: (1)
– Guia de Recolhimento/Junta Comercial e DARF/Cadastro Nacional de Empresas, (código
6621).
 Se o endereço for em Faixa de Fronteira (caso o endereço da sede ou de filial existente
não seja na Faixa de Fronteira):
– aprovação prévia pelo Conselho de Defesa Nacional, quando for o caso.
1
 Original do documento de consulta de Viabilidade deferida em 01 (uma) via ou Pesquisa
de Nome Empresarial (busca prévia) até que a Junta Comercial passe a utilizar o sistema
da viabilidade. (2)
 Apresentar DBE – Documento Básico de Entrada em 01 (uma) via, com assinatura do
representante legal. (3)
OBSERVAÇÕES:
(1) No DF, o recolhimento deve ser efetuado em um único DARF sob o código 6621. Número de vias
conforme definido pela Junta Comercial da UF.
(2) A consulta de viabilidade (pesquisa de nome empresarial e/ou endereço) no portal de serviços da Junta
Comercial, quando couber.
(3) A Junta Comercial manterá convênio com a RFB para emissão de CNPJ, quando couber.
4.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO
4.2.1 – ABERTURA E ALTERAÇÃO
4.2.1.1 – Campos a preencher
a) De forma manual, enquanto a Junta Comercial não utilizar o meio eletrônico:
Preencher, de forma legível, os campos do Requerimento, exceto os reservados para uso da
Junta Comercial, observadas as instruções a seguir. Usar tinta preta ou azul. Os campos não preenchidos
deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo o espaço do campo. O Requerimento
deverá permitir a sua reprografia, microfilmagem e digitalização.
b) De forma eletrônica:
Preencher no sítio da Junta Comercial, utilizando o aplicativo disponível. Caso tenha que ser
impresso, o mesmo deverá estar em uma qualidade que permita a sua reprografia, microfilmagem e
digitalização.
4.2.1.1.1 – Abertura
 NIRE DA SEDE;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
29
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 023 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Abertura de filial na UF da sede;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL;
 VALOR DO CAPITAL: A indicação de destaque de capital para a filial é facultativa. Se
indicado algum valor, a soma dos destaques de capital para filiais deverá ser inferior ao capital
da empresa;
 DESCRIÇÃO DO OBJETO: A indicação de objeto é facultativa, porém, quando efetuada,
deverá reproduzir os termos do texto do objeto da sede da empresa, integral ou parcialmente;
 CNAE: A indicação de códigos da CNAE é facultativa, porém, quando indicados, na sua
totalidade ou parcialmente, não podem ser diferentes dos da sede;
 DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES: A data de início de atividades é facultativa. Caso
informada, deverá corresponder à data prevista para o início das atividades, a qual não
poderá ser anterior à data da assinatura do Requerimento de Empresário. Se o Requerimento
de Empresário for protocolado na Junta Comercial após 30 dias da data da sua assinatura
pelo empresário, a data da Inscrição será considerada a data do deferimento do
Requerimento pela Junta Comercial e, nesse caso, a data de início de atividades não poderá
ser anterior a essa;
 CNPJ: Preencher com o número básico do CNPJ (oito primeiros dígitos). O número de ordem
e o dígito verificador serão atribuídos pela RFB (CNPJ);
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
4.2.1.1.2 – Alteração
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 024 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Alteração de filial na UF da sede;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL;
 OUTROS CAMPOS PASSÍVEIS DE PREENCHIMENTO;
 CNPJ DA FILIAL;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
4.2.1.1.2.1 – Alteração de Nome Empresarial
A alteração de nome empresarial da sede estende-se, automaticamente, às suas filiais situadas
na mesma unidade da federação, sem necessidade de apresentação de novos Requerimentos referentes
a essas filiais.
4.2.2 – EXTINÇÃO
4.2.2.1 – Campos a preencher
a) De forma manual, enquanto a Junta Comercial não utilizar o meio eletrônico:
Preencher, de forma legível, os campos do Requerimento, exceto os reservados para uso da
Junta Comercial, observadas as instruções a seguir. Usar tinta preta ou azul. Os campos não preenchidos
deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo o espaço do campo. O Requerimento
deverá permitir a sua reprografia, microfilmagem e digitalização.
b) De forma eletrônica:
Preencher no sítio da Junta Comercial, utilizando o aplicativo disponível. Caso tenha que ser
impresso, o mesmo deverá estar em uma qualidade que permita a sua reprografia, microfilmagem e
digitalização.
30
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO TITULAR;
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 025 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Extinção de filial na UF da sede;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL;
 CNPJ DA FILIAL;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
4.2.3 – ATIVIDADES CUJO EXERCÍCIO PELO EMPRESÁRIO DEPENDE DE APROVAÇÃO PRÉVIA
POR ÓRGÃO GOVERNAMENTAL
Vide Instrução Normativa DREI nº14/2013.
31
5 – FILIAL EM OUTRA
UNIDADE DA FEDERAÇÃO
Para ABERTURA, ALTERAÇÃO e EXTINÇÃO de filial em outra unidade da federação, são
necessárias providências na Junta Comercial da unidade da federação onde se localiza a sede e na Junta
Comercial da unidade da federação onde se localizar a filial.
Para TRANSFERÊNCIA de filial são necessárias providências na Junta Comercial da unidade
da federação onde se localiza a sede e nas Juntas Comerciais das unidades da federação de origem e de
destino da filial.
5.1 – SOLICITAÇÃO À JUNTA DA UNIDADE DA FEDERAÇÃO ONDE SE LOCALIZA A SEDE
5.1.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA
ESPECIFICAÇÃO No DE
VIAS
 Capa de Processo (preencher todos os campos, dispensada a assinatura no
requerimento). 1
 Requerimento de Empresário
– Caso a Junta Comercial estiver utilizando o sistema da via única de arquivamento, seguir
as orientações contidas na Instrução Normativa DREI nº 03/2013.
1
– Fica mantido o sistema convencional de autenticação de documentos até a adequação
da Junta Comercial que não estiver apta a utilizar a via única. 3
 Comprovante de pagamento:
– Guia de Recolhimento/Junta Comercial (1).
 Se o endereço for em Faixa de Fronteira (caso o endereço da sede ou de filial existente
não seja na Faixa de Fronteira):
– aprovação prévia pelo Conselho de Defesa Nacional, quando for o caso.
1
 Original do documento de consulta de Viabilidade deferida em 01 (uma) via ou Pesquisa
de Nome Empresarial (busca prévia) até que a Junta Comercial passe a utilizar o sistema
da viabilidade. (2)
 Apresentar DBE – Documento Básico de Entrada em 01 (uma) via, com assinatura do
representante legal. (3)
OBSERVAÇÕES:
(1) Número de vias conforme definido pela Junta Comercial da UF.
(2) A consulta de viabilidade (pesquisa de nome empresarial e/ou endereço) no portal de serviços da Junta
Comercial, quando couber.
(3) A Junta Comercial manterá convênio com a RFB para emissão de CNPJ, quando couber.
5.1.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO
ABERTURA, ALTERAÇÃO, TRANSFERÊNCIA E EXTINÇÃO
5.1.2.1 – Campos a preencher
a) De forma manual, enquanto a Junta Comercial não utilizar o meio eletrônico:
Preencher, de forma legível, os campos do Requerimento, exceto os reservados para uso da
Junta Comercial, observadas as instruções a seguir. Usar tinta preta ou azul. Os campos não preenchidos
deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo o espaço do campo. O Requerimento
deverá permitir a sua reprografia, microfilmagem e digitalização.
32
b) De forma eletrônica:
Preencher no sítio da Junta Comercial, utilizando o aplicativo disponível. Caso tenha que ser
impresso, o mesmo deverá estar em uma qualidade que permita a sua reprografia, microfilmagem e
digitalização.
5.1.2.1.1 – Abertura de filial em outra UF
 NIRE DA SEDE;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 026 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Abertura de filial em outra UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL;
 VALOR DO CAPITAL: A indicação de destaque de capital para a filial é facultativa. Se
indicado algum valor, a soma dos destaques de capital para filiais deverá ser inferior ao capital
da empresa;
 DESCRIÇÃO DO OBJETO: A indicação de objeto é facultativa, porém, quando efetuada,
deverá reproduzir os termos do texto do objeto da sede da empresa, integral ou parcialmente;
 CNAE: A indicação de códigos da CNAE é facultativa, porém, quando indicados, na sua
totalidade ou parcialmente, não podem ser diferentes dos da sede;
 DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES: A data de início de atividades, neste caso, somente
deve ser informada, se desejado, no Requerimento a ser arquivado na Junta Comercial onde
a filial será aberta;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
5.1.2.1.2 – Alteração de filial em outra UF
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 027 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Alteração de filial em outra UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL;
 OUTROS CAMPOS PASSÍVEIS DE PREENCHIMENTO, conforme indicado em “Abertura”,
item 5.1.2.1.1;
 CNPJ DA FILIAL;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
5.1.2.1.3 – Transferência
5.1.2.1.3.1 – Transferência de filial da UF da sede para outra UF
 NIRE DA SEDE
 NIRE DA FILIAL;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 036 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Transferência de filial para outra
UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL (NOVO);
33
 OUTROS CAMPOS PASSÍVEIS DE PREENCHIMENTO, conforme indicado em “Abertura”
item 5.1.2.1.1;
 CNPJ DA FILIAL;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
5.1.2.1.3.2 – Inscrição de transferência de filial de outra UF para a UF da sede
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL: se a filial já tiver sido localizada na UF da sede, informar o NIRE que
anteriormente recebeu nessa UF; caso contrário, deixar em branco;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 037 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Inscrição de transferência de filial
de outra UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL (NOVO);
 DATA DE INÍCIO DE ATIVIDADES: a informação da data de início de atividades é facultativa,
entretanto, se informada, deverá ser indicada a data de abertura da filial na UF de origem ou
em UF anterior, se for o caso;
 OUTROS CAMPOS PASSÍVEIS DE PREENCHIMENTO, conforme indicado em
“Abertura” item 5.1.2.1.1;
 CNPJ DA FILIAL;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
5.1.2.1.3.3 – Transferência de filial de uma UF (que não a UF da sede) para outra UF
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 036 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Transferência de filial para outra
UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL (NOVO);
 OUTROS CAMPOS PASSÍVEIS DE PREENCHIMENTO, conforme indicado em “Abertura”
item 5.1.2.1.1;
 CNPJ DA FILIAL;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
5.1.2.1.4 – Extinção de filial em outra UF
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 028 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Extinção de filial em outra UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL;
 CNPJ DA FILIAL;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
34
5.1.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS
5.1.3.1 – Providências nas Juntas Comerciais da sede, de origem e de destino
5.1.3.1.1 – Abertura, alteração e extinção de filial em outra UF
A abertura, a alteração e a extinção de filial devem ser promovidas, primeiramente na Junta
Comercial da unidade da federação onde se localizar a sede. Em seguida, o ato deve ser complementado
com o arquivamento da documentação própria na Junta Comercial da outra unidade da federação.
5.1.3.1.2 – Transferência de filial para outra UF, que não a da sede
Quando de se tratar de transferência de filial de uma para outra UF, que não a da sede, é
necessário promover os arquivamentos correspondentes, primeiramente, na Junta da sede, em seguida,
na Junta de origem da filial e, por último, na Junta de destino da filial.
5.1.3.1.3 – Transferência de filial para a UF da sede
Se a transferência de filial for para a UF da sede, é necessário promover os arquivamentos
correspondentes, primeiramente, na Junta da sede e, em seguida, na Junta de origem da filial.
5.1.3.1.4 – Abertura ou inscrição de transferência de primeira filial da empresa na UF
No caso de abertura ou de inscrição de transferência de filial que se constitua na primeira filial
da empresa na UF de destino, providenciar, perante a Junta Comercial da sede, a seguinte documentação
necessária para arquivamento na Junta Comercial da UF onde a filial será instalada (exceto no caso de
transferência para a UF da sede):
 Certidão Simplificada em que conste o endereço da filial aberta ou transferida (novo
endereço);
ou Certidão Simplificada, se dela não constar o endereço da filial aberta ou transferida
(novo endereço), juntamente com:
 uma via chancelada do Requerimento de Empresário arquivado na Junta
Comercial da UF da sede, referente à abertura ou transferência da filial;
ou Certidão de Inteiro Teor ou cópia autenticada do Requerimento acima.
5.1.3.2 – Abertura, alteração ou transferência
5.1.3.2.1 – Proteção ou pesquisa prévia do nome empresarial
Antes de dar entrada da documentação na Junta Comercial da sede da empresa, nos casos de
ABERTURA de primeira filial, ALTERAÇÃO, quando houver alteração de nome empresarial e de
TRANSFERÊNCIA, para UF em que ainda não haja filial da empresa, é recomendável, preferencialmente,
promover a proteção do nome empresarial ou solicitar a pesquisa deste à Junta Comercial da unidade da
federação onde será aberta, alterada ou para onde será transferida a filial, para evitar sustação do registro
naquela Junta por colidência de nome empresarial.
Havendo colidência, será necessário alterar o nome empresarial na Junta Comercial da unidade
da federação onde se localiza a sede.
Não sendo feita a pesquisa de nome empresarial e havendo colidência na Junta Comercial da
outra unidade da federação, após deferido o ato de abertura ou de transferência pela Junta Comercial da
sede, será exigido pela Junta de onde será instalada a filial, além da documentação própria para o caso,
documento que comprove a alteração do nome empresarial na Junta da sede. São documentos hábeis
para essa finalidade: uma via chancelada do Requerimento de Empresário arquivado e referente à
alteração do nome empresarial ou Certidão de Inteiro Teor desse documento ou cópia autenticada do
mesmo.
5.1.3.3 – Atividades cujo exercício pelo empresário depende de aprovação prévia por órgão
governamental
Vide Instrução Normativa DREI n
o 14/2013.
5.2 – SOLICITAÇÃO À JUNTA COMERCIAL DA UNIDADE DA FEDERAÇÃO
a) de destino, nos casos de abertura, alteração e extinção de filial (com sede em outra UF);
35
b) de destino, nos casos de inscrição de transferência de filial (da UF da sede para outra UF)
(de uma UF – que não a da sede – para outra UF); e
c) de origem, no caso de transferência de filial (para a UF da sede) (para outra UF)
5.2.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA
ESPECIFICAÇÃO No DE
VIAS
 Capa de Processo (preencher todos os campos, dispensada a assinatura no
requerimento). 1
 Requerimento de Empresário
– Caso a Junta Comercial estiver utilizando o sistema da via única de arquivamento, seguir
as orientações contidas na Instrução Normativa DREI nº 03/2013.
1
– Fica mantido o sistema convencional de autenticação de documentos até a adequação
da Junta Comercial que não estiver apta a utilizar a via única. 3
 Comprovantes de pagamento: (1)
– Guia de Recolhimento/Junta Comercial e DARF/Cadastro Nacional de Empresas (código
6621).
1
Documentação complementar, para arquivamento na Junta Comercial de DESTINO,
quando se tratar da primeira filial da empresa na UF, nos casos de:
– ABERTURA; ou
– INSCRIÇÃO DE TRANSFERÊNCIA de filial da UF da sede para outra UF; ou
– INSCRIÇÃO DE TRANSFERÊNCIA de filial de uma UF (que não a da sede) para
outra UF
 Certidão Simplificada em que conste o endereço da filial aberta ou transferida
(novo endereço), expedida pela Junta Comercial da UF da sede;
ou Certidão Simplificada, se dela não constar o endereço da filial aberta ou
transferida (novo endereço), juntamente com:
– uma via chancelada do Requerimento de Empresário arquivado na Junta
Comercial da UF da sede, referente à abertura ou transferência da filial
para outra UF;
ou Certidão de Inteiro Teor ou cópia autenticada do Requerimento acima.
1
Documentação complementar, para arquivamento na Junta Comercial de DESTINO,
quando se tratar de outra filial da empresa, após a primeira, na UF, nos casos de:
– ABERTURA;
– INSCRIÇÃO DE TRANSFERÊNCIA de filial da UF da sede para outra UF;
 uma via chancelada do Requerimento de Empresário arquivado na Junta
Comercial da UF da sede, referente à abertura ou transferência da filial;
ou Certidão de Inteiro Teor ou cópia autenticada do Requerimento acima;
ou Certidão Simplificada em que conste o endereço da filial aberta ou transferida
(novo endereço), expedida pela Junta Comercial da UF da sede;
– INSCRIÇÃO DE TRANSFERÊNCIA de filial de uma UF (que não a da sede) para
outra UF
 uma via chancelada do Requerimento de Empresário arquivado na Junta
Comercial da UF de origem, referente à transferência da filial;
ou Certidão de Inteiro Teor ou cópia autenticada do Requerimento acima.
Documentação complementar, para arquivamento na Junta Comercial de DESTINO,
nos casos de ALTERAÇÃO ou EXTINÇÃO de filial:
 uma via chancelada do Requerimento de Empresário arquivado na Junta Comercial
da UF da sede, referente à alteração ou extinção da filial;
ou Certidão de Inteiro Teor ou cópia autenticada desse documento.
Documentação complementar, para arquivamento na Junta Comercial de ORIGEM, no
caso de TRANSFERÊNCIA de filial de uma UF (que não a da sede) para outra UF:
 uma via chancelada do Requerimento de Empresário arquivado na Junta
Comercial da sede, referente à transferência da filial;
ou Certidão de Inteiro Teor ou cópia autenticada desse documento.
Documentação complementar, para arquivamento na Junta de ORIGEM, no caso de
TRANSFERÊNCIA de filial para a UF da sede:
 uma via chancelada do Requerimento de Empresário arquivado na Junta
Comercial da UF da sede, referente à inscrição da filial transferida para aquela UF;
36
 ou Certidão de Inteiro Teor ou cópia autenticada desse documento.
 Original do documento de consulta de Viabilidade deferida em 01 (uma) via ou
Pesquisa de Nome Empresarial (busca prévia) até que a Junta Comercial passe a
utilizar o sistema da viabilidade. (2)
 Apresentar DBE – Documento Básico de Entrada em 01 (uma) via, com assinatura
do representante legal. (3)
OBSERVAÇÕES:
(1) No DF, o recolhimento deve ser efetuado em um único DARF sob o código 6621. Número de vias
conforme definido pela Junta Comercial da UF.
(2) A consulta de viabilidade (pesquisa de nome empresarial e/ou endereço) no portal de serviços da Junta
Comercial, quando couber.
(3) A Junta Comercial manterá convênio com a RFB para emissão de CNPJ, quando couber.
5.2.2 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS
ABERTURA, ALTERAÇÃO, TRANSFERÊNCIA E EXTINÇÃO
5.2.2.1 – Campos a preencher
a) De forma manual, enquanto a Junta Comercial não utilizar o meio eletrônico:
Preencher, de forma legível, os campos do Requerimento, exceto os reservados para uso da
Junta Comercial, observadas as instruções a seguir. Usar tinta preta ou azul. Os campos não preenchidos
deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo o espaço do campo. O Requerimento
deverá permitir a sua reprografia, microfilmagem e digitalização.
b) De forma eletrônica:
Preencher no sítio da Junta Comercial, utilizando o aplicativo disponível. Caso tenha que ser
impresso, o mesmo deverá estar em uma qualidade que permita a sua reprografia, microfilmagem e
digitalização.
5.2.2.1.1 – Abertura de filial com sede em outra UF
 NIRE DA SEDE;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 310DESCRIÇÃO DO ATO: Outros documentos de interesse da empresa;
 CÓDIGO DO EVENTO: 029 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Abertura de filial com sede em
outra UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL;
 VALOR DO CAPITAL: A indicação de destaque de capital para a filial é facultativa. Se
indicado algum valor, a soma dos destaques de capital para filiais deverá ser inferior ao capital
da empresa;
 DESCRIÇÃO DO OBJETO: A indicação de objeto é facultativa, porém, quando efetuada,
deverá reproduzir os termos do texto do objeto da sede da empresa, integral ou parcialmente;
 CNAE: A indicação de códigos da CNAE é facultativa, porém, quando indicados, na sua
totalidade ou parcialmente, não podem ser diferentes dos da sede;
 DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES: A informação da data de início de atividades é
facultativa. Caso informada, esta deverá corresponder à data prevista para o início das
atividades, a qual não poderá ser anterior à data da assinatura do Requerimento de
Empresário. Se o Requerimento de Empresário for protocolado na Junta Comercial após 30
dias da data da sua assinatura pelo empresário, a data da abertura será considerada a data
do deferimento do Requerimento pela Junta Comercial e, nesse caso, a data de início de
atividades não poderá ser anterior a essa;
 CNPJ: Preencher com o número básico do CNPJ (oito primeiros dígitos). O número de ordem
e o dígito verificador serão atribuídos pela RFB (CNPJ);
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
37
5.2.2.1.2 – Alteração de filial com sede em outra UF
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 310 e DESCRIÇÃO DO ATO: Outros documentos de interesse da
empresa;
 CÓDIGO DO EVENTO: 030 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Alteração de filial com sede em
outra UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL;
 OUTROS CAMPOS PASSÍVEIS DE PREENCHIMENTO, conforme indicado em “Abertura”
item 5.2.2.1.1;
 CNPJ DA FILIAL;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
5.2.2.1.3 – Transferência
5.2.2.1.3.1 – Inscrição de Transferência de filial da UF da sede para outra UF
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL: se a filial já tiver sido localizada na UF de destino, informar o NIRE que
anteriormente recebeu nessa UF; caso contrário, deixar em branco;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 310 e DESCRIÇÃO DO ATO: Outros documentos de interesse da
empresa;
 CÓDIGO DO EVENTO: 037 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Inscrição de transferência de filial
de outra UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL (NOVO);
 DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES – a informação da data de início de atividades é
facultativa, entretanto, se informada, deve ser indicada a data de abertura da filial na UF de
origem ou em UF anterior, se for o caso;
 OUTROS CAMPOS PASSÍVEIS DE PREENCHIMENTO, conforme indicado em “Abertura”
item 5.2.2.1.1;
 CNPJ DA FILIAL;
 TRANSFERÊNCIA DE SEDE OU DE FILIAL DE OUTRA UF – NIRE anterior e UF;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
5.2.2.1.3.2 – Inscrição de transferência de filial de outra UF para a UF da sede
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL: se a filial já tiver se localizado na UF da sede, informar o NIRE que
anteriormente recebeu nessa UF; caso contrário, deixar em branco;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 310 e DESCRIÇÃO DO ATO: Outros documentos de interesse da
empresa;
 CÓDIGO DO EVENTO: 036 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Transferência de filial para outra
UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL (NOVO);
38
 DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES – a informação da data de início de atividades é
facultativa, entretanto, se informada, deve ser indicada a data de abertura da filial na UF de
origem ou em UF anterior, se for o caso;
 OUTROS CAMPOS PASSÍVEIS DE PREENCHIMENTO, conforme indicado em “Abertura”
item 5.2.2.1.1;
 CNPJ DA FILIAL;
 TRANSFERÊNCIA DE SEDE OU DE FILIAL DE OUTRA UF – NIRE anterior e UF;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
5.2.2.1.3.3 – Transferência (que não da UF da sede) de uma UF para outra UF
5.2.2.1.3.3.1 – Na Junta Comercial de origem
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 036 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Transferência de filial para outra
UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL (NOVO);
 DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES: se informada, deve ser indicada a data de abertura da
filial na UF de origem ou anterior;
 OUTROS CAMPOS PASSÍVEIS DE PREENCHIMENTO, conforme indicado em “Abertura”
item 5.2.2.1.1;
 CNPJ DA FILIAL;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
5.2.2.1.3.3.2 – Inscrição de Transferência de filial na Junta Comercial de destino (que não a UF da
sede)
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL: se a filial já tiver se localizado na UF de destino, informar o NIRE que
anteriormente recebeu nessa UF; caso contrário, deixar em branco;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 310 e DESCRIÇÃO DO ATO: Outros documentos de interesse da
empresa;
 CÓDIGO DO EVENTO: 037 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Inscrição de transferência de filial
de outra UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL (NOVO);
 DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES: a informação da data de início de atividades é
facultativa, entretanto, se informada, deve ser indicada a data de abertura da filial na UF de
origem ou em UF anterior, se for o caso;
 OUTROS CAMPOS PASSÍVEIS DE PREENCHIMENTO, conforme indicado em “Abertura”
item 5.2.2.1.1;
 CNPJ DA FILIAL;
 TRANSFERÊNCIA DE SEDE OU DE FILIAL DE OUTRA UF – NIRE anterior e UF;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
39
5.2.2.1.4 – Extinção de filial com sede em outra UF
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 310 e DESCRIÇÃO DO ATO: Outros documentos de interesse da
empresa;
 CÓDIGO DO EVENTO: 031 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Extinção de filial com sede em
outra UF;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL;
 CNPJ DA FILIAL;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
5.2.2.2 – Alteração de nome empresarial
Ocorrendo o arquivamento de alteração de nome empresarial na Junta da sede da empresa,
cabe ao empresário promover, nas Juntas Comerciais das outras unidades da federação em que estejam
localizadas suas filiais, o arquivamento de documento que comprove a alteração do nome empresarial, a
fim de que o nome da empresa também seja alterado em relação a essas filiais.
Documentação exigida:
 Capa de Processo (uma via);
 Documento que comprove a alteração do nome empresarial (uma via);
 Comprovante de pagamento do preço do serviço:
 Guia de Recolhimento/Junta Comercial.
São documentos hábeis para essa finalidade, uma via do Requerimento de Empresário de
alteração do nome empresarial arquivado na Junta Comercial da sede, Certidão de Inteiro Teor ou cópia
autenticada desse documento ou, ainda, Certidão Simplificada que contenha a alteração do nome
empresarial.
No requerimento constante da Capa de Processo deverá ser indicado o ATO 310 – OUTROS
DOCUMENTOS e o EVENTO 030 – Alteração de nome empresarial.
5.2.2.3 – Comunicação de NIRE à Junta Comercial do estado onde se localiza a sede
Procedido o arquivamento de abertura de filial ou de inscrição de transferência de filial, a Junta
Comercial deverá informar à Junta Comercial da unidade da federação onde se localiza a sede da empresa
o NIRE atribuído.
40
6 – FILIAL EM OUTRO PAÍS
Para ABERTURA, ALTERAÇÃO e EXTINÇÃO de filial em outro país, são necessárias
providências na Junta Comercial da unidade da federação onde se localiza a sede e no órgão de registro
do outro país, observada a legislação local.
6.1 – SOLICITAÇÃO À JUNTA DA UNIDADE DA FEDERAÇÃO ONDE SE LOCALIZA A SEDE
6.1.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA
ESPECIFICAÇÃO No DE
VIAS
 Capa de Processo (preencher todos os campos, dispensada a assinatura no
requerimento).
 Requerimento de Empresário
– Caso a Junta Comercial estiver utilizando o sistema da via única de arquivamento, seguir
as orientações contidas na Instrução Normativa DREI nº 03/2013.
1
– Fica mantido o sistema convencional de autenticação de documentos até a adequação
da Junta Comercial que não estiver apta a utilizar a via única. 3
Comprovantes de pagamento: (1)
– Guia de Recolhimento/Junta Comercial e DARF/Cadastro Nacional de Empresas (código
6621).
 Apresentar DBE – Documento Básico de Entrada em 01 (uma) via, com assinatura do
representante legal. (2)
1
OBSERVAÇÕES:
(1) No DF, o recolhimento deve ser efetuado em um único DARF sob o código 6621. Número de vias
conforme definido pela Junta Comercial da UF.
(2) A Junta Comercial manterá convênio com a RFB para emissão de CNPJ, quando couber.
6.1.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO
ABERTURA, ALTERAÇÃO E EXTINÇÃO
6.1.2.1 – Campos a preencher
a) De forma manual, enquanto a Junta Comercial não utilizar o meio eletrônico:
Preencher, de forma legível, os campos do Requerimento, exceto os reservados para uso da
Junta Comercial, observadas as instruções a seguir. Usar tinta preta ou azul. Os campos não preenchidos
deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo o espaço do campo. O Requerimento
deverá permitir a sua reprografia, microfilmagem e digitalização.
b) De forma eletrônica:
Preencher no sítio da Junta Comercial, utilizando o aplicativo disponível. Caso tenha que ser
impresso, o mesmo deverá estar em uma qualidade que permita a sua reprografia, microfilmagem e
digitalização.
6.1.2.1.1 – Abertura de filial em outro país
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 032 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Abertura de filial em outro país;
41
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL: Deverá ser preenchido o endereço da filial no exterior e, quando for
o caso, os caracteres dos vocábulos da língua estrangeira deverão ser substituídos por
caracteres correspondentes no vocábulo nacional;
 VALOR DO CAPITAL: A indicação de destaque de capital para a filial é facultativa. Se
indicado algum valor, a soma dos destaques de capital para filiais deverá ser inferior ao capital
da empresa;
 DESCRIÇÃO DO OBJETO: A indicação de objeto é facultativa, porém, quando efetuada,
deverá reproduzir os termos do texto do objeto da sede da empresa, integral ou parcialmente;
 CNAE: A indicação de códigos da CNAE é facultativa, porém, quando indicados, na sua
totalidade ou parcialmente, não podem ser diferentes dos da sede;
 DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES: A data de início de atividades, neste caso, não deve ser
informada;
 CNPJ: Preencher com o número básico do CNPJ (oito primeiros dígitos). O número de ordem
e o dígito verificador serão atribuídos pela RFB (CNPJ);
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
6.1.2.1.2 – Alteração de filial em outro país
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 033 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Alteração de filial em outro país;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL: Deverá ser preenchido o endereço da filial no exterior e, quando for
o caso, os caracteres dos vocábulos da língua estrangeira deverão ser substituídos por
caracteres correspondentes no vocábulo nacional;
 OUTROS CAMPOS PASSÍVEIS DE PREENCHIMENTO, conforme indicado em “Abertura”,
item 6.1.2.1.1;
 CNPJ DA FILIAL;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
6.1.2.1.3 – Extinção de filial em outro país
 NIRE DA SEDE;
 NIRE DA FILIAL;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 002 e DESCRIÇÃO DO ATO: Alteração;
 CÓDIGO DO EVENTO: 034 e DESCRIÇÃO DO EVENTO: Extinção de filial em outro país;
 NOME EMPRESARIAL;
 ENDEREÇO DA FILIAL: Deverá ser preenchido o endereço da filial no exterior e, quando for
o caso, os caracteres dos vocábulos da língua estrangeira deverão ser substituídos por
caracteres correspondentes no vocábulo nacional;
 CNPJ DA FILIAL;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
42
6.1.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS
6.1.3.1 – Providências na Junta Comercial da sede
6.1.3.1.1 – Abertura, alteração e extinção de filial em outro país
A abertura, a alteração e a extinção de filial devem ser promovidas, primeiramente na Junta
Comercial da unidade da federação onde se localizar a sede. Em seguida, o ato deve ser complementado
com o arquivamento da documentação própria no órgão de registro do outro país, observada a legislação
local.
43
7 – EXTINÇÃO
7.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA
ESPECIFICAÇÃO No DE
VIAS
 Capa de Processo (preencher todos os campos, dispensada a assinatura no
requerimento).
1
 Requerimento de Empresário
– Caso a Junta Comercial estiver utilizando o sistema da via única de arquivamento, seguir
as orientações contidas na Instrução Normativa DREI nº 03/2013.
1
– Fica mantido o sistema convencional de autenticação de documentos até a adequação
da Junta Comercial que não estiver apta a utilizar a via única. 3
 Comprovante de pagamento:
– Guia de Recolhimento/Junta Comercial. 1
Se a extinção for por falecimento do titular:
 Cópia autenticada da certidão expedida pelo juízo competente. 1
7.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO
7.2.1 – CAMPOS A PREENCHER
a) De forma manual, enquanto a Junta Comercial não utilizar o meio eletrônico:
Preencher, de forma legível, os campos do Requerimento, exceto os reservados para uso da
Junta Comercial, observadas as instruções a seguir. Usar tinta preta ou azul. Os campos não preenchidos
deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo o espaço do campo. O Requerimento
deverá permitir a sua reprografia, microfilmagem e digitalização.
b) De forma eletrônica:
Preencher no sítio da Junta Comercial, utilizando o aplicativo disponível. Caso tenha que ser
impresso, o mesmo deverá estar em uma qualidade que permita a sua reprografia, microfilmagem e
digitalização.
Devem ser preenchidos, de forma legível, usando tinta preta ou azul, os seguintes campos do
Requerimento, exceto os reservados para uso da Junta Comercial, observadas as instruções de
preenchimento em “Inscrição”, item 1.2 e as indicadas a seguir. Os campos não preenchidos devem ser
inutilizados pelo empresário apondo-se “xxxxxx” em todo o espaço do campo.
 NIRE DA SEDE;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 003 e DESCRIÇÃO DO ATO: Extinção;
 NOME EMPRESARIAL;
 CNPJ;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO, podendo ser substituído pela assinatura autenticada
com certificação digital ou meio equivalente que comprove a sua autenticidade,
ressalvado o disposto no inciso I do § 1º do art. 4º da Lei Complementar nº 123, de 14
de dezembro de 2006.
7.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS
7.3.1 – EXTINÇÃO POR FALECIMENTO DO EMPRESÁRIO
Para a baixa da inscrição na Junta Comercial é necessário o Requerimento de Empresário,
firmado pelo inventariante, juntamente com autorização do juiz para a prática do ato e/ou escritura pública
de partilha de bens, que deverá ser arquivado em processo separado, concomitantemente com a Extinção.
44
O arquivamento do Requerimento de Empresário de Extinção, que contêm filiais na unidade da
federação da sede e/ou fora da unidade da federação da sede, considerar-se-á extinta quando da
aprovação do ato.
Deverá constar do Requerimento de Empresário: ato: 003 – EXTINÇÃO.
7.3.2 – EXTINÇÃO PARA UTILIZAÇÃO DE ACERVO NA FORMAÇÃO DE SOCIEDADE NOVA OU JÁ
EXISTENTE
Na utilização do acervo de empresário para formação de capital de sociedade, deverá ser
promovida a extinção da Inscrição de Empresário, pelo seu titular, concomitantemente com o processo de
arquivamento do ato da sociedade em constituição ou da alteração do contrato da sociedade.
7.3.3 – ATIVIDADES CUJO EXERCÍCIO PELO EMPRESÁRIO DEPENDE DE APROVAÇÃO PRÉVIA
POR ÓRGÃO GOVERNAMENTAL
É dispensada autorização do Conselho de Defesa Nacional no caso de extinção da inscrição de
Empresário que obteve o assentimento prévio para exercer atividade na Faixa de Fronteira.
Cabe à Junta Comercial informar tal ocorrência ao Departamento de Registro Empresarial e
Integração para que este a comunique ao Conselho de Defesa Nacional, para fins de controle.
45
8 – PROTEÇÃO DE NOME EMPRESARIAL
Para ARQUIVAMENTO, ALTERAÇÃO e CANCELAMENTO de Proteção de Nome Empresarial
são necessárias providências na Junta Comercial da unidade da federação onde se localiza a sede e na
Junta Comercial da unidade da federação onde se pretenda proteger ou esteja protegido o nome
empresarial.
8.1 – SOLICITAÇÃO À JUNTA DA UNIDADE DA FEDERAÇÃO ONDE SE LOCALIZA A SEDE
8.1.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA
ESPECIFICAÇÃO No DE
VIAS
 Requerimento de Certidão Simplificada dirigido à Junta Comercial 1
 Comprovante de pagamento do preço do serviço:
– Guia de Recolhimento/Junta Comercial. 1
8.2 – SOLICITAÇÃO À JUNTA DA OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO
8.2.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA
ESPECIFICAÇÃO No DE
VIAS
 Capa de Processo (preencher todos os campos, dispensada a assinatura no
requerimento). 1
 Requerimento de Empresário. (1) 2
 Certidão Simplificada, expedida pela Junta Comercial da sede da empresa, exceto no caso
de cancelamento de proteção.
1
 Comprovantes de pagamento: (2)
– Guia de Recolhimento/Junta Comercial e DARF/Cadastro Nacional de Empresas (código
6621).
OBSERVAÇÕES:
(1) Vide Instrução Normativa DREI nº 03/2013.
(2) No DF, o recolhimento deve ser efetuado em um único DARF sob o código 6621.
8.2.2 – PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO
8.2.2.1 – Campos a preencher
a) De forma manual, enquanto a Junta Comercial não utilizar o meio eletrônico:
Preencher, de forma legível, os campos do Requerimento, exceto os reservados para uso da
Junta Comercial, observadas as instruções a seguir. Usar tinta preta ou azul. Os campos não preenchidos
deverão ser eliminados pelo empresário, apondo-se “xxxx” em todo o espaço do campo. O Requerimento
deverá permitir a sua reprografia, microfilmagem e digitalização.
b) De forma eletrônica:
Preencher no sítio da Junta Comercial, utilizando o aplicativo disponível. Caso tenha que ser
impresso, o mesmo deverá estar em uma qualidade que permita a sua reprografia, microfilmagem e
digitalização.
 NIRE DA SEDE;
 QUALIFICAÇÃO COMPLETA DO EMPRESÁRIO;
 CÓDIGO DO ATO: 150, 151 ou 152 e DESCRIÇÃO DO ATO: Proteção de Nome Empresarial,
Alteração de Proteção de Nome Empresarial ou Cancelamento de Proteção de Nome
Empresarial;
46
 NOME EMPRESARIAL;
 CNPJ;
 DATA; e
 ASSINATURA DO EMPRESÁRIO.
Nos casos dos atos 151 – Alteração de Proteção de Nome Empresarial e 152 – Cancelamento
de Proteção de Nome Empresarial deverá, também, ser informado, no campo destinado a NIRE DE FILIAL,
o NIRE atribuído à Proteção de Nome Empresarial.
8.3 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS
8.3.1 – COMUNICAÇÃO À JUNTA COMERCIAL DO ESTADO ONDE SE LOCALIZA A SEDE
Procedido o arquivamento, a Junta Comercial comunicará o ato praticado à Junta Comercial da
unidade da federação onde se localiza a sede da empresa.
47
9 – OUTROS ARQUIVAMENTOS
9.1 – DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA
ESPECIFICAÇÃO No DE
VIAS
 Capa de Processo (preencher todos os campos). (1) 1
 Documento a ser arquivado. (2) 1
 Original ou cópia autenticada de procuração, com firma reconhecida e poderes
específicos, quando o requerimento constante da Capa de Processo for assinado por
procurador.
Obs: As procurações deverão ser arquivadas em processo, com pagamento do preço público
devido.
1
 Comprovante de pagamento:
– Guia de Recolhimento/Junta Comercial 1
OBSERVAÇÕES:
(1) No requerimento constante da Capa de Processo o empresário deverá assinar o seu nome civil;
tratando-se de procurador, esse aporá a sua assinatura.
(2) Vide Instrução Normativa DREI nº 03/2013.
9.2 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS
9.2.1 – ALTERAÇÃO DE NOME EMPRESARIAL – FILIAIS EM OUTRAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO
Ocorrendo o arquivamento de alteração de nome empresarial na Junta da sede da empresa,
cabe ao empresário promover, nas Juntas Comerciais das outras unidades da federação em que estejam
localizadas suas filiais, o arquivamento de documento que comprove a alteração do nome empresarial, a
fim de que o nome da empresa também seja alterado em relação a essas filiais.
São documentos hábeis para essa finalidade, uma via do Requerimento de Empresário de
alteração do nome empresarial arquivado na Junta Comercial da sede, Certidão de Inteiro Teor ou cópia
autenticada desse documento ou, ainda, Certidão Simplificada que contenha a alteração do nome
empresarial.
No requerimento constante da Capa de Processo deverá ser indicado o ATO 310 – OUTROS
DOCUMENTOS e o EVENTO 030 – Alteração de Nome Empresarial.
9.2.2 – DOCUMENTAÇÃO OBJETO DE ARQUIVAMENTO – CÓDIGO CIVIL
O Código Civil estabeleceu que devem, também, ser arquivados nas Juntas Comerciais os
seguintes documentos:
 Nomeação de Gerente por Representante ou Assistente.
 Emancipação.
 Pacto Antenupcial.
 Declaração Antenupcial.
 Título de Doação de Bens Clausulados de Incomunicabilidade ou Inalienabilidade.
 Título de Herança de Bens Clausulados de Incomunicabilidade ou Inalienabilidade.
 Título de Legado de Bens Clausulados de Incomunicabilidade ou Inalienabilidade.
 Sentença de decretação ou de homologação de separação judicial.
 Sentença de homologação do ato de reconciliação.
 Contrato de alienação, usufruto ou arrendamento de estabelecimento.
48
Para fins de pagamento do preço do serviço, esses documentos são enquadrados na Tabela de
Preços das Juntas Comerciais como DOCUMENTOS DE ARQUIVAMENTO OBRIGATÓRIO OU DE
INTERESSE DA SOCIEDADE EMPRESÁRIA / EMPRESÁRIO / SÓCIO / LEILOEIRO / TRADUTOR
PÚBLICO / ADMINISTRADOR DE ARMAZÉM GERAL.
9.2.2.1 – Nomeação de Gerente por Representante ou Assistente
Se o representante ou assistente de pessoa incapaz, autorizada a continuar empresa, for pessoa
que, por disposição de lei, estiver impedida de exercer atividade de empresário, nomeará, com a
aprovação do juiz, um ou mais gerentes. Será nomeado gerente, também, em todos os casos em que o
juiz entender ser conveniente.
9.2.2.2 – Emancipação
9.2.2.2.1 – Arquivamento de prova da emancipação de incapaz autorizado judicialmente a continuar a
empresa
A prova da emancipação do incapaz, autorizado judicialmente a continuar a empresa, por meio
de representante ou assistente, antes exercida por seus pais ou pelo autor de herança, será arquivada no
Registro Público de Empresas Mercantis.
São necessários dois processos, cujos requerimentos serão assinados pelo emancipado.
A prova da emancipação será apresentada à Junta Comercial em processo próprio, devendo ser
informado no requerimento constante da Capa de Processo o ato 208 – EMANCIPAÇÃO.
Junto a esse processo, deverá ser apresentado outro relativo ao Requerimento de Empresário
que deverá indicar como ato: 002 – ALTERAÇÃO e evento: 021 – Alteração de dados (exceto nome
empresarial).
9.2.2.2.2 – Arquivamento de Requerimento de Empresário Emancipado
No caso de arquivamento de requerimento de inscrição de empresário emancipado são
necessários dois processos, cujos requerimentos serão assinados pelo emancipado.
A prova da emancipação será apresentada à Junta Comercial em processo próprio, devendo ser
informado no requerimento constante da Capa de Processo o ato 208 – EMANCIPAÇÃO.
Junto a esse processo, deverá ser apresentado outro relativo à sua inscrição, mediante
Requerimento de Empresário que deverá indicar como ato: 080 – INSCRIÇÃO.
9.2.2.3 – Pacto Antenupcial e outros
 Declaração Antenupcial
 Título de Doação de Bens Clausulados de Incomunicabilidade ou Inalienabilidade
 Título de Herança de Bens Clausulados de Incomunicabilidade ou Inalienabilidade
 Título de Legado de Bens Clausulados de Incomunicabilidade ou Inalienabilidade
Serão arquivados nas Juntas Comerciais os pactos e declarações antenupciais do empresário,
o título de doação, herança, ou legado, de bens clausulados de incomunicabilidade ou inalienabilidade.
Antes de arquivados nas Juntas Comerciais, esses documentos deverão ser averbados no
Registro Civil.
No caso de empresário casado em regime de comunhão universal ou de separação de bens, o
pacto ou declaração antenupcial deverá ser arquivado em separado, não sendo exigível que o mesmo
seja efetuado simultaneamente com o Requerimento de Empresário referente à inscrição ou alteração.
9.2.2.4 – Sentença de decretação ou de homologação de separação judicial / Sentença de
homologação do ato de reconciliação
A sentença que decretar ou homologar a separação judicial do empresário e o ato de
reconciliação não podem ser opostos a terceiros, antes de arquivados no Registro Público de Empresas
Mercantis.
49
9.2.2.5 – Contrato de alienação, usufruto ou arrendamento de estabelecimento
O contrato que tenha por objeto a alienação, o usufruto ou arrendamento do estabelecimento de
empresário, só produzirá efeitos quanto a terceiros depois de arquivado na Junta Comercial e de publicado,
pelo empresário, na imprensa oficial.
9.2.3 – CANCELAMENTO POR DECISÃO ADMINISTRATIVA OU JUDICIAL
O cancelamento determinado por decisão do Plenário ou do Ministro de Estado Chefe da
Secretaria da Micro e Pequena Empresa da Presidência da República, ou mediante sentença judicial,
obedecerá rigorosamente ao que na decisão estiver contido.
50
10 – RECUPERAÇÃO JUDICIAL E FALÊNCIA
10.1 – ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS
10.1.1 – AÇÃO DA JUNTA COMERCIAL
A recuperação judicial e a falência serão conhecidas pelo Registro Público de Empresas
Mercantis e Atividades Afins, mediante comunicação do Juízo competente.
Cabe à Junta Comercial efetuar a anotação pertinente (prontuário e cadastro), não podendo a
empresa, após a anotação, cancelar o seu registro.
10.1.2 – EXTINÇÃO DAS OBRIGAÇÕES/REABILITAÇÃO
Cabe à Junta Comercial efetuar a anotação pertinente (prontuário, cadastro e livro especial).
10.1.3 – PREÇOS
Não há cobrança de preços de serviços com relação ao DARF.
10.1.4 – FILIAIS EM OUTROS ESTADOS
Compete à Junta Comercial da sede oficiar às Juntas Comerciais dos Estados onde a empresa
mantenha filial a respeito das comunicações referentes à falência e recuperação judicial, cabendo a essas
Juntas proceder à atualização do prontuário e cadastro respectivos.
10.1.5 – RECUPERAÇÃO JUDICIAL – ATOS PASSÍVEIS DE ARQUIVAMENTO
Na recuperação judicial, a Junta Comercial poderá arquivar alterações contratuais, desde que
não importem em alienação de patrimônio, extinção e transferência de sede para outro estado, salvo com
autorização do Juiz competente.
51
CAPA DE PROCESSO/REQUERIMENTO
Presidência da República
Secretaria da Micro e Pequena Empresa
Secretaria de Racionalização e Simplificação
Departamento de Registro Empresarial e Integração
52
Presidência da República
Secretaria da Micro e Pequena Empresa
Secretaria de Racionalização e Simplificação
Departamento de Registro Empresarial e Integração
NÚMERO DE IDENTIFICAÇÃO DO REGISTRO DE EMPRESA – NIRE DA SEDE NIRE DA FILIAL (preencher somente se ato referente a filial)
NOME DO EMPRESÁRIO (completo sem abreviaturas)
NACIONALIDADE ESTADO CIVIL

SEXO
M F
REGIME DE BENS (se casado)

FILHO DE (pai) (mãe)
NASCIDO EM (data de nascimento) IDENTIDADE número Órgão emissor UF CPF (número)
EMANCIPADO POR (forma de emancipação – somente no caso de menor)

DOMICILIADO NA (LOGRADOURO – rua, av, etc.) NÚMERO
COMPLEMENTO BAIRRO / DISTRITO CEP CÓDIGO DO MUNICÍPIO
(Uso da Junta Comercial)
MUNICÍPIO UF
declara, sob as penas da lei, não estar impedido de exercer atividade empresária, que não possui outro registro de
empresário e requer à Junta Comercial do :
CÓDIGO DO ATO DESCRIÇÃO DO ATO CÓDIGO DO EVENTO DESCRIÇÃO DO EVENTO
CÓDIGO DO EVENTO DESCRIÇÃO DO EVENTO CÓDIGO DO EVENTO DESCRIÇÃO DO EVENTO
NOME EMPRESARIAL
NOME FANTASIA
LOGRADOURO (rua, av, etc.) NÚMERO
COMPLEMENTO BAIRRO / DISTRITO CEP CÓDIGO DO MUNICÍPIO
(Uso da Junta Comercial)
MUNICÍPIO UF PAÍS CORREIO ELETRÔNICO (E-MAIL)
VALOR DO CAPITAL – R$ VALOR DO CAPITAL (por extenso)
CÓDIGO DE ATIVIDADE
ECONÔMICA
(CNAE)
Atividade principal
DESCRIÇÃO DO OBJETO
Atividades secundárias
DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES NÚMERO DE INSCRIÇÃO NO CNPJ TRANSFERÊNCIA DE SEDE OU DE FILIAL DE OUTRA UF
NIRE anterior
UF USO DA JUNTA COMERCIAL
DEPENDENTE DE
AUTORIZAÇÃO
GOVERNAMENTAL
ASSINATURA DA FIRMA PELO EMPRESÁRIO (ou pelo representante/assistente/gerente)
DATA DA ASSINATURA ASSINATURA DO EMPRESÁRIO
PARA USO EXCLUSIVO DA JUNTA COMERCIAL
DEFERIDO.
PUBLIQUE-SE E ARQUIVE-SE.
_________________________
______/______/______
AUTENTICAÇÃO
REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO
INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO NO VERSO
1 – SIM
3 – NÃO
53
INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO REQUERIMENTO DE EMPRESÁRIO
LEIA COM ATENÇÃO ESTAS INSTRUÇÕES, ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO.
1 – Preencher o formulário em quatro vias legíveis, à máquina ou à mão, com letra de forma, sem rasura.
2 – Não preencher os campos destinados a uso da Junta Comercial.
3 – ESTADO CIVIL – Declarar se é solteiro, casado, viúvo, separado judicialmente ou divorciado.
4 – REGIME DE BENS DO EMPRESÁRIO – Se o empresário for casado, declarar o regime de bens (comunhão parcial, comunhão universal,
participação final nos aquestos, separação de bens). A alteração do regime de bens depende de autorização judicial em pedido motivado de ambos
os cônjuges, a qual deverá instruir o processo.
5 – IDENTIDADE – Indicar o número, a sigla do órgão expedidor e a sigla da respectiva unidade da federação mencionados no documento de
identidade. São aceitos como documento de identidade: cédula de identidade, certificado de reservista, cart eira de identidade profissional,
Carteira de Trabalho e Previdência Social ou carteira nacional de habilitação (modelo com base na Lei nº 9.503, de 23/9/97). Se o titular for
estrangeiro, é exigida carteira de identidade de estrangeiro, com visto permanente.
6 – EMANCIPADO POR – Caso o titular seja menor de 18 e maior de 16 anos, emancipado, deverá indicar a forma de emancipação e arquivá-la em
separado, a qual deverá ser anteriormente averbada no Registro Civil. São hipóteses de emancipação: casamento; ato judicial; concessão dos pais;
colação de grau em curso de ensino superior; exercício de emprego público efetivo; estabelecimento civil ou comercial, ou pela existência de relação
de emprego, desde que em função deles, o menor com 16 anos completos tenha economia própria.
7 – DECLARAÇÃO (de desimpedimento para exercer atividade empresária e de que não possui outra inscrição de empresário) e REQUERIMENTO –
Complementar o nome da Junta Comercial.
8 – CÓDIGO DO ATO E DESCRIÇÃO DO ATO – Preencher com o código e com a descrição do ato que está sendo praticado, conforme tabela abaixo.
9 – CÓDIGO DO EVENTO E DESCRIÇÃO DO EVENTO – Preencher com o código e com a descrição do evento que está contido no ATO, conforme tabela
abaixo.
CÓDIGO DO
ATO / EVENTO
DESCRIÇÃO DO ATO
DESCRIÇÃO DO EVENTO
080 INSCRIÇÃO
002 ALTERAÇÃO
020 ALTERAÇÃO DE NOME EMPRESARIAL
021 ALTERAÇÃO DE DADOS (EXCETO NOME EMPRESARIAL)
022 ALTERAÇÃO DE DADOS E DE NOME EMPRESARIAL
023 ABERTURA DE FILIAL NA UF DA SEDE
024 ALTERAÇÃO DE FILIAL NA UF DA SEDE
025 EXTINÇÃO DE FILIAL NA UF DA SEDE
026 ABERTURA DE FILIAL EM OUTRA UF
027 ALTERAÇÃO DE FILIAL EM OUTRA UF
028 EXTINÇÃO DE FILIAL EM OUTRA UF
029 ABERTURA DE FILIAL COM SEDE EM OUTRA UF
030 ALTERAÇÃO DE FILIAL COM SEDE EM OUTRA UF
031 EXTINÇÃO DE FILIAL COM SEDE EM OUTRA UF
032 ABERTURA DE FILIAL EM OUTRO PAÍS
033 ALTERAÇÃO DE FILIAL EM OUTRO PAÍS
034 EXTINÇÃO DE FILIAL EM OUTRO PAÍS
036 TRANSFERÊNCIA DE FILIAL PARA OUTRA UF
037 INSCRIÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DE FILIAL DE OUTRA UF
038 TRANSFERÊNCIA DE SEDE PARA OUTRA UF
039 INSCRIÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DE SEDE DE OUTRA UF
048 RERRATIFICAÇÃO
052 REATIVAÇÃO
961 AUTORIZAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DE TITULARIDADE POR SUCESSÃO
003 EXTINÇÃO
150 PROTEÇÃO DE NOME EMPRESARIAL
151 ALTERAÇÃO DE PROTEÇÃO DE NOME EMPRESARIAL
152 CANCELAMENTO DA PROTEÇÃO DE NOME EMPRESARIAL
EXEMPLO:
CÓDIGO DO ATO DESCRIÇÃO DO ATO CÓDIGO DO EVENTO DESCRIÇÃO DO EVENTO
002 ALTERAÇÃO 020 ALTERAÇÃO DE NOME EMPRESARIAL
10 – NOME EMPRESARIAL – Indicar o nome completo ou abreviado do empresário, aditando, se quiser, designação mais precisa de sua pessoa
(apelido ou nome como é mais conhecido) ou gênero de negócio, que deve constar do objeto. Não pode ser abreviado o último sobrenome, nem
ser excluído qualquer dos componentes do nome. Não constituem sobrenome e não podem ser abreviados: FILHO, JÚNIOR, NETO, SOBRINHO
etc., que indicam uma ordem ou relação de parentesco.
11 – CÓDIGO DE ATIVIDADE ECONÔMICA – Preencher com o código correspondente a cada atividade descrita no OBJETO, conforme a tabela de
Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE. Ordenar os códigos das atividades indicando a principal e as secundárias. A atividade
principal corresponde àquela que proporciona maior receita esperada (quando da inscrição) ou realizada (quando da alteração).
12 – DESCRIÇÃO DO OBJETO – Descrever o objeto (atividades a serem exercidas), de forma precisa e detalhada, indicando o gênero e a espécie do
negócio. Não podem ser inseridos termos estrangeiros na descrição das atividades, exceto quando não houver termo correspondente em português.
O objeto não poderá ser ilícito, contrário aos bons costumes ou à ordem pública. No caso de filial, vide orientação no Manual de Atos de Registro
de Empresário.
13 – DATA DE INÍCIO DAS ATIVIDADES – Preencher com a data prevista para o início das atividades a qual não poderá ser anterior à data da assinatura
do Requerimento de Empresário. Se o Requerimento de Empresário for protocolado na Junta Comercial após 30 dias da data da sua assinatura
pelo empresário, a data da Inscrição será considerada a data do deferimento do Requerimento pela Junta Comercial e, nesse caso, a data de início
de atividades não poderá ser anterior a essa. No caso dos eventos 029, 037 e 039, vide orientação no Manual de Atos de Registro de Empresário.
14 – ASSINATURA DA FIRMA PELO EMPRESÁRIO – Deverá ser aposta a assinatura da firma de acordo com o nome da empresa indicado no campo
nome empresarial, podendo ser substituído pela assinatura autenticada com certificação digital ou meio equivalente que comprove a sua
autenticidade, ressalvado o disposto no inciso I do § 1º do art. 4º da Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006.
15 – DATA DA ASSINATURA – Indicar dia, mês e ano em que o Requerimento foi assinado.
16 – ASSINATURA DO EMPRESÁRIO – A assinatura deve ser a que o empresário, ou no caso de incapaz autorizado judicialmente a continuar a empresa, e seu
assistente ou representante ou gerente usa normalmente para o nome civil.

News Reporter
info@societario.com.br